EUA querem união global contra terrorismo, França ataca propaganda

EUA querem união global contra terrorismo, França ataca propaganda
De  Francisco Marques com LUSA, CASA BRANCA
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Os Estados Unidos apelam a uma união global contra o extremismo violento que se faz sentir nos dias que correm um pouco por todo o globo, mas com

PUBLICIDADE

Os Estados Unidos apelam a uma união global contra o extremismo violento que se faz sentir nos dias que correm um pouco por todo o globo, mas com maior impacto no Médio Oriente e na norte da Nigéria, nomeadamente pelo grupo Estado Islâmico e o Boko Haram. A França alertou que não são os islâmicos, no seu todo, os responsáveis pelo presente terrorismo. Esta sexta-feira, o ministro dos Negócios Estrangeiros gaulês ruma a Sillicon Valley para aprofundar estratégias de limitar a propaganda dos “jihadistas” violentos.

Washington, sommet contre le terrorisme en présence du Président BarackObama</a> et du SG des Nations Unies Ban Ki-Moon <a href="http://t.co/LhDaPJvqc2">pic.twitter.com/LhDaPJvqc2</a></p>&mdash; Bernard Cazeneuve (BCazeneuve) 19 fevereiro 2015

Terminada quinta-feira, em Washington, a cimeira contra o extremismo violento, Bernard Cazeneuve tem previsto encontrar-se agora com responsáveis de gigantes da internet como a Google, o Facebook, o Twitter ou a Microsoft para expor as preocupações francesas sobre a forma como os grupos radicais islâmicos têm recorrido às redes sociais para se autopromoverem e recrutarem mais seguidores para a “jihad”. A França quer limitar o acesso destes grupos às redes sociais e defende a aplicação de códigos de conduta.

"When people are oppressed and human rights are denied…when dissent is silenced, it feeds violent extremism" —President Obama #CVESummit

— The White House (@WhiteHouse) 19 fevereiro 2015

Barack Obama, por seu turno, deixou na referida cimeira uma lista de prioridades que defende para a luta contra o extremismo violento e derrotar as “ideologias pervertidas” de grupos como o Estado Islâmico, a Al-Qaida ou o Boko Haram. Entre as prioridades – refere a France Press – estão uma maior cooperação entre governos contra combatentes estrangeiros e ações que ponham fim a conflitos e tensões sectárias como se verifica na Síria.

Washington defende ainda o corte do financiamento a grupos que fomentem o ódio, o alargamento da educação a todas as pessoas, em especial para as mulheres, e a promoção da democracia e de eleições livres.

"Let’s commit to expanding education, including for girls…nations will not truly succeed without the contributions of their women." —Obama

— The White House (@WhiteHouse) 19 fevereiro 2015

Cazeneuve salientou que não se deve confundir “a perversão que alguns indivíduos fazem de uma religião de paz com a própria religião”. “Nós condenamos de forma bem séria todos aqueles que de forma sistemática procuram responsabilizar toda a comunidade islâmica através da manipulação de pequenos grupos inspirados pelo ódio”, especificou o responsável diplomático gaulês.

O correspondente da euronews em Washington, Stefan Grobe, acompanhou os três dias da cimeira contra o extremismo violento e conclui: “Parece haver um novo consenso de emergência entre os governos na luta contra o extremismo violento, que é cada vez mais global. As recentes atrocidades do Estado Islâmico e de outros grupos ‘jihadistas’ ajudaram a cerrar fileiras. Até porque, como referiu o ministro da Jordânia: Cada um de nós, passou a ser um alvo.”

ICYMI: Watch President Obama deliver remarks at the #CVESummithttp://t.co/PXeLMAzEdG. Read transcript here —> http://t.co/NijVVd5o0o

— Department of State (@StateDept) 20 fevereiro 2015

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Flor-cadáver desabrochou em São Francisco

Líder republicano Mitch McConnell deixa Senado ao fim de 40 anos

Primárias no Michigan: Biden vence corrida dos democratas e Trump triunfa entre republicanos