EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Ocalan apela a "nova era" em que curdos e turcos vivam "como irmãos em democracia".

Ocalan apela a "nova era" em que curdos e turcos vivam "como irmãos em democracia".
Direitos de autor 
De  Euronews com Reuters, EFE, AFP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

"Acabar" com 30 anos de "luta armada do PKK contra a república turca" e dar inicio a "uma nova era" em que curdos e turcos possam "viver como irmãos em democracia". Foi este o apelo de ano novo de Abd

PUBLICIDADE

“Acabar” com 30 anos de “luta armada do PKK contra a república turca” e dar inicio a “uma nova era” em que curdos e turcos possam “viver como irmãos em democracia”. Foi este o apelo de ano novo de Abdullah Ocalan, líder histórico do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK).

#BREAKING Öcalan calls for PKK talks to end four-decade armed struggle #Turkeyhttp://t.co/dSu2wdSd6Xpic.twitter.com/QA8oDLOnw3

— Today's Zaman (@todayszamancom) 21. März 2015

Ocalan reiterou o pedido para que este processo se inicie no próximo congresso do PKK numa mensagem que foi lida perante milhares de curdos, em Diyarbakir, que celebram a chegada do ano 1394 do calendário persa.

O Noruz, o ano novo persa, coincide com o equinócio da Primavera.

A partir da ilha-prisão de Imrali, no Mar de Mármara, ao largo de Istambul, Ocalan afirmou também que “a crise do neoliberalismo e do imperialismo está a destruir a região e a conduzir a conflitos étnicos sem sentido”.

Em Diyarbakir, ‘capital’ do Curdistão turco, os habitantes dizem querer a “paz”, porque “não há outra escolha. A violência não é boa para ninguém. A guerra não ajuda ninguém”.

Desde 1984, a rebelião armada dos curdos contra as autoridades de Ancara deixou um rasto de mais de 40.000 mortos. As negociações de paz iniciadas no final de 2012 pouco têm avançado.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Líderes dos rivais regionais Grécia e Turquia reúnem-se para estreitar relações

Turquia corta relações comerciais com Israel até que haja um cessar-fogo em Gaza

Israel confirma morte de refém luso-israelita