A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Sistema eleitoral britânico favorece grandes partidos mas há mudanças

Sistema eleitoral britânico favorece grandes partidos mas há mudanças
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Durante décadas, a política britânica foi conhecida pelas acesas discussões, no parlamento, entre os dois partidos dominantes: Trabalhistas e Conservadores que se revezam no poder. Mas a situação parece estar a mudar com o surgimento de novas formações que vêm baralhar as contas.

Nesta eleição, nenhum dos dois principais partidos domina, a possibilidade de uma maioria parece inalcançável e, no jogo político, os pequenos interlocutores começam a dar cartas.

Este ano, pela primeira vez na história política do país, o debate televisivo juntou sete candidatos.

Mas ainda não fazem sombra aos grandes jogadores, neste sistema eleitoral muito complexo e que não é favorável às pequenas formações. O sistema favorece os grandes partidos, em detrimento dos pequenos, uma vez que os eleitores optam pelo chamado voto “útil”. Ainda assim, eles escolhem o seu deputado mas não, diretamente, o primeiro-ministro.

A Grã-Bretanha tem 650 círculos eleitorais. Em cada um deles o candidato mais votado é eleito. Este é o “first past the post”.

Os círculos de Inglaterra, País de Gales, Escócia e Irlanda do Norte são redefinidos apenas de 12 em 12 anos, mas o objetivo é manter uma média de 70.000 eleitores.

Na Câmara dos Comuns há dois cenários possíveis:

Qualquer uma das partes tem maioria, ou seja, 326 assentos ou mais de 50% dos assentos, e por isso governa. Ou não consegue obtê-la, a isso chama-se “hung parliament”, um caso que ocorreu apenas 5 vezes desde 1910. Nestes raros casos a solução mais provável é a de uma coligação.

Foi o caso em 2010 e, provavelmente, o cenário repetir-se-á este ano. As vozes dispersam-se, cada vez mais em partidos menores, mas o sistema vigente não permite que isso se veja.

Por exemplo, uma votação de 25%, a nível nacional, resulta num número residual de deputados no parlamento.

Em 2011, uma tentativa de reformar o sistema de votação uninominal, numa volta propunha o “voto alternativo”, em referendo, mas acabou num completo fracasso, dois terços dos eleitores rejeitaram a proposta.

Quanto a estas eleições, as dúvidas começam a dissipar-se esta quinta-feira ainda que não se esperem resultados conclusivos no final da noite eleitoral.