This content is not available in your region

Economista Esther Duflo vence Prémio Princesa das Astúrias nas Ciências Sociais

Access to the comments Comentários
De  Francisco Marques  com Lusa, EFE
Economista Esther Duflo vence Prémio Princesa das Astúrias nas Ciências Sociais

A economista franco-americana Esther Duflo, de 42 anos, foi a escolhida entre 26 candidatos para receber este ano o Prémio Princesa das Astúrias de Ciências Sociais, ao qual concorria também o jurista português Adriano Moreira, de 92 anos. Este foi o segundo anúncio de oito categorias de prémios entregues desde 1981 pela agora denominada Fundação Princesa das Astúrias, cuja presidente de honra é agora Leonor de Bourbon, de 9 anos, promovida de Infanta a Princesa e primeira na linha de sucessão do pai, o rei Filipe VI.


Depois das Artes, que há uma semana destaco o cineasta norte-americano Francis Ford Coppola, a escolha nas Ciências Sociais foi revelada e explicada no Hotel da Reconquista, em Oviedo, Espanha ao meio-dia desta quarta-feira (11 horas em Lisboa), pela presidente do júri, Carmen Iglesias Cano.

“O júri acordou conceder o Prémio Princesa das Astúrias de Ciências Sociais 2015 à economista franco-americana Esther Duflo pelas suas inovadoras e decisivas contribuições para a economia do desenvolvimento e pelo estudo das políticas contra a pobreza”, afirmou Carmen Iglesias Cano, diante dos restantes 15 elementos do júri deste prémio.

Da classe alta de Paris à luta ativa contra a pobreza


Esther Duflo é uma famosa ativista no estudo e na busca de soluções para a pobreza mundial. Cresceu entre a classe alta de Paris e ganhou paixão pela economia. Focou-se no estudo da pobreza e, aos 37 anos, recebeu a medalha John Bates Clark, que distingue os mais promissores economistas do Mundo com menos de 40 anos.

Ao longo de 15 anos, com a ajuda de Abhijit V. Banerjee, visitou dezenas de países nos cinco continentes, num projeto que culminou, em 2011, com o lançamento em coautoria do livro “A Economia dos Pobres: Repensar de Modo Radical a Luta Contra a Pobreza Global” — distinguido como “Livro Económico do Ano” nos prémios Financial Times and McKinsey.


Atualmente professora no Instituto de Tecnologia do Massachusetts, o famoso M.I.T. dos Estados Unidos, a franco-americana tem vindo a ser galardoada com várias distinções pelo ativismo económico com que se tem dedicado ao problema da pobreza.

Este ano, junta pelo menos mais um e importante. Esther Duflo recupera para economia, 11 anos depois do triunfo do norte-americano Paul Krugman, o Prémio Princesa das Astúrias de Ciências Sociais, galardão já ganho por um português, em 1995. A distinção lusa coube ao historiador Joaquim Veríssimo Serrão.


A candidatura de Adriano Moreira (CV em PDF) ao Prémio Princesa da Astúrias 2015 havia sido, entretanto, proposta pela Academia de Ciências de Lisboa, instituição que o jurista, estadista, ex-deputado, antigo ministro e líder partidário (CDS) chegou a presidir.

No total foram entregues 223 candidaturas, de 51 países, para todas as oito categorias: Artes, Ciências Sociais; Comunicação e Humanidades; Cooperação Internacional, Concórdia; Desportos; Investigação Científica e Técnica; e Letras.

Cada vencedor recebe uma escultura de Joan Miró e 50 mil euros, além de um diploma e uma insígnia.

Com Adriano Moreira afastado nas Ciências Sociais, Portugal ainda pode ganhar um Prémio Princesa das Astúrias este ano. A antiga maratonista portuguesa Rosa Mota é candidata na categoria Desportos. O nome de Rosa Mota foi proposto pelo Comité Olímpico de Portugal e pelo embaixador de Espanha em Portugal. O prémio Princesa das Astúrias 2015 na categoria Desporto é anunciado a 3 de junho.