EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Sports United: O triunfo de Fiji e a história de um vencedor

Sports United: O triunfo de Fiji e a história de um vencedor
Direitos de autor 
De  Ricardo Figueira com Joe Allen, Bruno Sousa
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Nesta edição de Sports United, sabemos as últimas do râguebi a sete e do remo. Vamos também contar histórias de vitória e de inovação.

Râguebi a sete: Fidji em alta, Portugal no fundo da tabela

PUBLICIDADE

Vitória para as Ilhas Fiji na final da ronda de Glasgow, em râguebi a sete.

Os fidjianos derrotaram a Nova Zelândia na final por 24-17 e lideram a classificação da Rugby Sevens World Series, quando falta apenas mais uma ronda, que vai ser jogada em Londres.

A competição serve para apurar quem vai participar nesta modalidade, nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, em 2016.

As ilhas Fiji somam agora 147 pontos, mais cinco que a Nova Zelândia. Antes dos neozelandeses, a equipa de Fiji derrotou os Estados Unidos e a até então líder da classificação, África do Sul.

Portugal ficou na última posição do grupo C, ao perder com as Ilhas Fiji, Escócia e País de Gales. A equipa portuguesa está em décimo quarto lugar e arrisca-se a ser despromovida para uma liga inferior.

The World Rugby Sevens Player of the Year nominees will be revealed on Sunday! @allblacks T.Cama won the 2012 award https://t.co/UF2SBfd3uB

— World Rugby (@WorldRugby) May 14, 2015

Volvo Ocean Race: Um líder inesperado

As tripulações da Volvo Ocean Race já estão todas em Newport, à espera da sétima etapa, a travessia do Atlântico, que vai ligar esta cidade costeira do Estado americano de Rhode Island a Lisboa.

A grande surpresa da sexta etapa foi a tripulação chinesa Dongfeng, que chegou em primeiro lugar ao porto norte-americano, depois de ter vencido também a terceira etapa.

É a primeira vez que a Dongfeng participa na Volvo Ocean Race. Alguns elementos da tripulação nunca tinham sequer dormido num veleiro antes.

Na classificação geral da regata, a Dongfeng está em segundo, atrás da Abu Dhabi Ocean Racing, que comanda a prova e chegou em segundo na etapa.

Get ready for the amazing race weekend ahead! TVW In-Port Race #Newport May 16 / Leg 7 start May 17 at 2PM ET/6PM UTC pic.twitter.com/u3dXub1z0a

— Volvo Ocean Race (@volvooceanrace) May 14, 2015

Remo: Triunfo alemão e chinês

A edição deste ano da Taça Mundial de Remo aconteceu no último fim-de-semana, com 34 países a competir no lago Bled, na Eslovénia.

Esta foi a primeira de três etapas. A Alemanha teve um bom começo de época.

Os alemães foram os melhores a remar, ao saírem da Eslovénia com quatro medalhas de ouro. A Alemanha conseguiu o ouro nas provas masculinas de oito remadores e de pares, tal como nas provas masculina e feminina de conjuntos de quatro.

Em termos de pontos, a Alemanha e a China tiveram o mesmo resultado, com os chineses a conseguirem duas medalhas de ouro e várias de prata e bronze. Só na prova de pares femininos as medalhas de prata e bronze foram para a China, que conseguiu colocar cinco equipas na final. A vitória nessa prova foi para um par holandês.

Pentatlo moderno: Atletas completos

O fundador dos Jogos Olímpicos da Era Moderna, o Barão Pierre de Coubertin, descreveu este desporto como um teste às qualidades morais e físicas e às capacidades de uma pessoa, formando assim um atleta completo.

Falamos do pentatlo moderno. A atual colheita de atletas modernos participou na quarta etapa da Taça do Mundo.

O vencedor desta prova, na Hungria, foi o francês Valentin Belaud, que esteve taco a taco com o russo Ilia Frolov na luta pelo ouro.

Na prova de tiro, o francês conseguiu ganhar vantagem sobre o russo e acabou por impor-se na prova de atletismo, que venceu com uma diferença de nove segundos.

Frolov ficou com a prata e o bronze foi para outro francês, Valentin Prades.

PUBLICIDADE

Kevin McDowell: Um vencedor

Às vezes, o mundo do desporto dá-nos histórias de determinação, coragem e espírito de luta.

Uma dessas histórias é a de Kevin McDowell – um jovem triatleta americano que derrotou o cancro e regressou à elite do desporto.

Especialista no triatlo, Kevin McDowell estava já habituado às lutas, mas esta foi a mais difícil de toda a carreira. Tudo aconteceu em 2011.

Kevin Mc Dowell: “Nessa altura, estava a preparar os mundiais. O meu objetivo, nesse ano, era conseguir o título mundial. Fiz a primeira corrida, na Florida, que não me podia ter corrido melhor. Foi um excelente arranque de época. Dois dias depois senti este alto no pescoço. A minha mãe reparou, fiz exames e era um cancro – o linfoma de Hodgkins.

Nunca pensei que o cancro me fosse vencer, sempre vi isto como um afastamento temporário, sabia que não seria mais do que isso. Não sabia a que ponto a quimioterapia iria enfraquecer o meu corpo e o tempo que iria demorar a recuperar.

PUBLICIDADE

Mentalmente, preparei-me para o regresso, mas deveria ter demorado mais tempo. Regressei ao desporto e comecei a sentir-me melhor, mas nunca recuperei completamente. Tive algum sucesso, no ano seguinte, mas o meu corpo começou a ir-se abaixo.

Mentalmente, era cansativo, mas insisti e senti as coisas voltarem para trás. Precisei de reavaliar. Nunca houve uma altura em que pensasse que deveria parar. Pensava, sim, na recuperação e como iria reencontrar esta paixão.”

Agora, McDowell está de regresso à Taça do Mundo de triatlo: “Não podia imaginar nada melhor. Ultrapassar tudo e estar de regresso ao topo. É algo fantástico, há muita gente a quem tenho de agradecer por isso.”

第1回ユースオリンピックで銀メダルを獲得した若手注目のKevin McDowell 選手。ホジキンリンパ腫と診断されてから病気と闘い続け、今年の成都ワールドカップで見事カムバックを果たしました。http://t.co/TAMBK7tIsR@KMcDowell1

— World Triathlon JP (@worldtri_jp) December 12, 2014

Fórmula E: Como conciliar ecologia e automobilismo

Reduzir as emissões de carbono é cada vez mais importante e o desporto tem um papel a desempenhar.

O campeonato de fórmula E está a avançar nessa direção. Estes carros elétricos usam as últimas tecnologias. O antigo piloto e atual diretor da Dragon Racing, Oriol Servia, falou no Mónaco com o repórter Bruno Sousa.

PUBLICIDADE

Este é um campeonato que pode gerar tanta emoção como a Fórmula 1. A diferença é que a poluição é muito menor, já que tudo é elétrico. Conduzir estes carros pode ser uma grande sensação.

*“Usar um carro elétrico é como ligar
um interruptor em casa. assim que o ligamos, tem energia. É preciso uma técnica de condução diferente, mais finesse, para conduzi-lo e tirar o melhor partido”*, diz Oriol Servia.

Aqui, a segurança é um dos aspetos mais importantes: A Federação Internacional do Desporto Automóvel não deixa nada ao acaso: “A FIA dá-nos um tempo mínimo para mudar os carros e não podemos fazê-lo em menos tempo. Isso acontece por razões de segurança, para que todos os cintos de segurança e outros equipamentos estejam corretamente instalados.”

Aqui, os controlos funcionam de forma diferente e há também uma grande interatividade com o público: “É o que chamamos regen – quando travamos, o motor funciona de forma inversa e cria energia, que vai para as baterias. Podemos assim escolher o nosso nível de agressividade. Este é o botão mágico. Tudo depende do espetador. Também lhe chamamos fan boost. O piloto ou os três pilotos que tiverem mais votos ganham mais energia, que pode ser ativada para ultrapassar todos os outros e vencer.”

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Lewis Hamilton deixa Mercedes para se juntar à Ferrari em 2025

Verstappen vence nos EUA, Hamilton e Leclerc desclassificados

França eliminada do Mundial de Rugby