A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Festival "Nuit Sonores" transforma Lyon em capital da música eletrónica

Festival "Nuit Sonores" transforma Lyon em capital da música eletrónica
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Durante cinco dias, a cidade francesa de Lyon é palco do festival de música eletrónica "Nuits Sonores" que começou esta quarta-feira. Duzentos e cinquenta artistas de 22 nacionalidades foram convidados para a 13a edição.

No total, cinquenta espaços da cidade associam-se à iniciativa, com os palcos principais instalados num antigo mercado municipal e numa antiga fábrica de açúcar.

“Voices from the Lake” foi um dos destaques da primeira noite. O duo composto pelos dj’s italianos Donato Dozzy e Neel levou ao palco variações de techno e dub.

“Gosto de todos os tipos de música. No meu trabalho com o Donato, ou a solo, faço techno, house, ‘ambient’ “, explica Neel, acrescentando ouvir “música dos anos 70, desde o ‘proto-punk’ à música psicadélica, Krautrock e techno”.

Halawella foi outro dos destaques da primeira noite. O grupo nasceu da parceria entre a cantora egípcia Maryam Saleh e aquele que é considerado o “padrinho” da música underground libanesa, Zeid Hamdan – que fundou o grupo de trip-hop Soap Kills no final dos anos 90. Aos dois junta-se o guitarrista Marc Codsi. O resultado é a fusão experimental de música de intervenção egípcia dos anos 70, com o repertório árabe clássico, hip-hop e eletrónica.

A primeira demo de Halawella foi lançada em 2011 e chamava-se “Watan el Ak” (“Nação do Caos”), falando sobre o estado das coisas na era pós-Mubarak.

“Quando estamos a escrever as nossas músicas, não temos em mente um estilo muito preciso. Podemos dizer que fazemos uma pop moderna. Quanto aos temas, a maior parte tem uma componente crítica sobre o sistema político, brincamos com a política como se fosse uma comédia negra”, explicou Maryam Saleh.

O festival pretende ser uma alternativa aos circuitos comerciais e um espaço de descoberta de novas tendências e novas caras.

Além das noites de música eletrónica, os dias são marcados por exposições e debates em galerias de arte ou locais públicos. Para os mais pequenos, há também um mini festival com música e atividades lúdicas.

“Nuits Sonores não é apenas um festival eletrónico, há uma boa parte da programação que se alarga a outros territórios. Tentamos estar na vanguarda do que se faz em termos criativos. É muito importante cultivar o aspeto independente dos artistas que apresentamos”, descreveu Violaine Didier, diretora de programação do festival.

Este ano, “Nuits Sonores” homenageia a capital polaca, Varsóvia, apresentada como a nova Berlim devido à efervescência cultural. A cidade atrai cada vez mais artistas que improvisam palcos na rua, num barco, num museu ou num parque.

O festival escolheu cerca de trinta músicos, 12 artistas gráficos e dois pintores que participam no forum European Lab sobre as perspetivas das novas formas culturais.

Entre eles, a Warszawska Orkiestra Rozrywkowa, uma orquestra híbrida, entre jazz e rock.

“Varsóvia é um desejo que tínhamos de ir para o leste. Deparámo-nos com uma cidade com imenso mistério, uma cultura alternativa muito intensa e underground. Nós gostamos de explorar na secção Carta Branca e fazer descobrir artistas que não estão em mais lado nenhum”, acrescentou Violaine Didier.

O festival “Nuits Sonores” reúne, todos os anos, mais de cem mil espetadores. Para ver e ouvir até 17 de maio na cidade francesa de Lyon.