Luz deixa Charlie Hebdo

Luz deixa Charlie Hebdo
De  Maria Joao Carvalho com Le monde, Le Libération
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Seis dias depois do ataque terrorista que dizimou a redação do jornal satírico Charlie Hebdo, em Paris, a conferência de imprensa dos sobreviventes

PUBLICIDADE

Seis dias depois do ataque terrorista que dizimou a redação do jornal satírico Charlie Hebdo, em Paris, a conferência de imprensa dos sobreviventes foi realizada sob forte emoção e dor. O desenhador Luz, ligado ao Charlie há mais de 20 anos, disse o intraduzível…na totalidade (putain de une):

- Eu escrevi: “Está tudo perdoado” e depois chorei. Foi a manchete. Tínhamos encontrado a manchete.

Em entrevista ao Libération, Luz (Renald Luzier) explicou a sua escolha pessoal: “cada número é uma tortura para a memória daqueles que se foram, passo noites sem dormir, a pensar nos nossos mortos.”
Luz já tinha anunciado que não redesenharia Maomé.

O ataque contra o Charlie Hebdo desencadeou uma onda de choque em França e em todo o mundo ocidental: era o símbolo da liberdade de expressão que estava a ser atingido. Milhões de franceses foram para a rua, a 11 de janeiro, sob o lema “Eu sou Charlie”. Todos os defensores da liberdade assumiram ser Charlie.
Os jornalistas sobreviventes deram as mãos nesse dia. Entre eles, Luz, Zineb e Rhazaoui, uma jornalista franco-marroquina que recebeu uma carta de recriminação do semanário satírico, na semana passada, e foi suspensa por se atrasar na entrega dos trabalhos. A jornalista está ameaçada pelos jihadistas e revolta-se com a situação que vive e a reação da administração do Charlie Hebdo.

Os lucros inesperados, as tensões provocadas pela gestão do património e as sequelas de que sofrem os redatores, colocam em perigo a sobrevivência do Charlie Hebdo. Luz foi apenas o primeiro “a bater com a porta”.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Fãs de animação vestem-se a rigor para encontro em Hong Kong

Comic-Con de San Diego sem estrelas por causa da greve de Hollywood

Livraria húngara multada por vender livro com conteúdo homossexual