EventsEventos
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Bruxelas: cimeira reúne líderes da União Europeia, América Latina e Caraíbas

Bruxelas: cimeira reúne líderes da União Europeia, América Latina e Caraíbas
Direitos de autor 
De  Pedro Sacadura com MARTA VIVAS CHAMORRO
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Mais de dois anos depois da última Cimeira União Europeia-CELAC (Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos), que decorreu na capital

PUBLICIDADE

Mais de dois anos depois da última Cimeira União Europeia-CELAC (Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos), que decorreu na capital chilena, os chefes de Estado e do Governo europeus, latino-americanos e caribenhos voltam a reunir-se esta quarta e quinta-feira, em Bruxelas.

Em nome de um futuro mais próspero, o encontro pretende reforçar as relações entre os blocos dos dois lados do Atlântico. Para Sebastián Santander, professor na Universidade de Liège, existem obstáculos à sintonia: “O mundo está a mudar. Há potências emergentes que chegaram à América Latina. A Europa está em crise. A América Latina tem menos interesse na Europa do que no passado e digamos que a China está a ocupar cada vez mais um lugar importante a nível económico, comercial, financeiro mas também a nível político na América Latina.”

Ao nível das relações comerciais, os acordos da União Europeia (UE) com o México e o Chile deverão ser revistos. A UE e o Mercosul negoceiam também há vários anos um acordo de livre comércio, mas sem chegar a um consenso.

O Presidente da delegação do Parlamento Europeu para as relações com o Mercosul, Francisco Assis, lembra que os dois lados têm responsabilidade no impasse: “Da parte europeia, as dificuldades que historicamente se têm manifestado têm a ver sobretudo com o setor da agricultura. Há alguns países europeus que receiam a concorrência dos países sul-americanos nesse domínio. Do lado sul-americano, até aqui as maiores dificuldades colocavam-se no setor da indústria e dos serviços porque havia a ideia de que ainda não estavam preparados para concorrer com os industriais europeus.”

A Cimeira UE-CELAC pode representar, por isso, uma oportunidade para seguir em frente, rumo a um possível acordo.

Luigi Gambardella, da Associação UEBrasil destaca a importância da flexibilidade: “Talvez a única forma – mas temos de pensar como é que isto se poderia fazer – seja ter uma abordagem mais flexível. Talvez se pudesse negociar primeiro um acordo com o Mercosul e depois permitir aos diferentes membros no seio do desse bloco ter diferentes velocidades.”

Além da cooperação comercial, durante a Cimeira UE-CELAC também estarão em cima da mesa temas como o crescimento sustentável, educação, segurança, direitos humanos e alterações climáticas.

Para analisar as relações União Europeia-América Latina e, em particular, os desafios no quadro desta cimeira estivemos à conversa com Benita Ferrero-Waldner, presidente da Fundação União Europeia-América Latina e Caraíbas.

Marta Vivas Chamorro, euronews: O mote desta cimeira é trabalhar para sociedades prósperas, inclusivas e sustentáveis. De que forma é que se transfere esse trabalho para as pessoas nas ruas?

Benita Ferrero-Waldner, presidente da Fundação União Europeia-América Latina e Caraíbas – “‘É muito importante destacar que esta cimeira servirá para revitalizar, realmente, as nossas relações bi-regionais e para legitimar os cidadãos. Como se transfere tudo isso para as pessoas? Trabalhando em coisas concretas, como estamos a fazer na nossa Fundação, onde trabalhamos com projetos relacionados com o ensino superior, por exemplo. Em Bruxelas, realizou-se também a cimeira académica e nós apoiamos muito este processo porque sem educação para todos não podemos ter o progresso que desejamos. As pequenas e médias empresas também são importantes. A nova classe média representa já 88 milhões de pessoas desde 2002 até 2014 na América Latina e isso repercute-se também numa sociedade mais produtiva.”

Marta Vivas Chamorro, euronews – Nos últimos anos alguns países latino-americanos aumentaram as relações comerciais com outros mercados, como por exemplo a China, sem esquecer a Rússia, no setor energético. A Europa está a perder terreno ou pode aproveitar de alguma forma esses fluxos comerciais?

Benita Ferrero-Waldner, presidente da Fundação União Europeia-América Latina e Caraíbas – “Não acredito que estejamos a perder terreno. Caímos um pouco no que se refere às nossas relações comerciais, mas estabilizámos e consolidámos. Se nos concentrarmos nos investimentos europeus, que são de 34 mil milhões de euros, pode perceber-se que é algo importante.”

Marta Vivas Chamorro, euronews – A Fundação a que preside organizou, recentemente, umas jornadas sobre desemprego juvenil. O problema afeta quer a Europa quer a América Latina. Quais as conclusões dessas reuniões?

Benita Ferrero-Waldner, presidente da Fundação União Europeia-América Latina e Caraíbas – “Os atingidos por esta situação têm de estar no processo. Julgo que este foi um dos pontos mais relevantes. Depois, é preciso formar essas pessoas, dar-lhes formação profissional, educação. Porque para os que têm conhecimentos é mais fácil. Além disso, há ainda a questão da mobilidade. Os jovens disseram que também querem ter mais possibilidades de conhecer outros países.”

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Justiça belga deixa prosseguir encontro dos populistas em Bruxelas

75 anos da NATO: Ucrânia foi à festa em Bruxelas mas levou pedido - mais mísseis Patriot

NATO investe mais de mil milhões de euros em munições de artilharia