EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

EUA: Detido e identificado o presumível autor do tiroteio em Charleston

EUA: Detido e identificado o presumível autor do tiroteio em Charleston
Direitos de autor 
De  Fernando Peneda com Lusa/APTN/Reuters
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Nos Estados Unidos, o presumível autor do homicídio de nove pessoas numa igreja da comunidade negra de Charleston, na Carolina do Sul, foi detido

PUBLICIDADE

Nos Estados Unidos, o presumível autor do homicídio de nove pessoas numa igreja da comunidade negra de Charleston, na Carolina do Sul, foi detido quinta-feira durante uma operação stop em Shelby, na Carolina do Norte.

O suspeito foi identificado como Dylann Roof, um jovem branco de 21 anos, residente nos arredores de Colúmbia.

“O suspeito entrou para o grupo, tendo sido aceite porque acreditaram que ele queria participar com eles no estudo da Bíblia. Ao fim de algum tempo tornou-se claramente muito agressivo e violento o que resultou na morte destas nove pessoas”, disse Rae Wooten, criminalista do condado de Charleston.

O presidente Barack Obama condenou os “assassínios sem sentido” e apelou novamente para um melhor enquadramento legal da venda de armas de fogo.

“Não estamos na posse de todos os factos, mas sabemos que mais uma vez pessoas inocentes foram mortas, em parte devido a alguém que lhes queria fazer mal não ter tido problemas em arranjar uma arma”, disse o presidente norte-americano.

Na quinta-feira centenas de pessoas participaram numa vigília de oração pelas nove vítimas do que já é considerado um dos piores crimes motivados por ódio racial, ocorridos nos Estados Unidos desde há anos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Charleston engrossa lista de mais de 4 mil crimes racistas nos EUA

Trump aceita nomeação para corrida presidencial e cita Orbán no discurso

J.D. Vance aceitou nomeação do Partido Republicano para a vice-presidência de Trump