Tunísia: Comerciantes sofrem consequências do ataque a Sousse

Tunísia: Comerciantes sofrem consequências do ataque a Sousse
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

À perda de vidas humanas segue-se agora o drama de quem vive do turismo na Tunísia. O ataque a um hotel da estancia balnear de Sousse deixou muitas

PUBLICIDADE

À perda de vidas humanas segue-se agora o drama de quem vive do turismo na Tunísia. O ataque a um hotel da estancia balnear de Sousse deixou muitas portas encerradas. Os turistas fugiram e agora os comerciantes não sabem o que fazer para ganhar o sustento.

Os criminosos alvejaram turistas – 39 pessoas morreram – e a economia do país. O turismo que conta 7% do Produto Interno Bruto.

“Este ataque afetou-nos muito, especialmente no nosso negócio, no setor do turismo. Nós somos pessoas simples, temos família para sustentar. Apenas pedimos a Deus para nos ajudar”, diz um comerciante.

O setor poderá nunca mais ser o que foi. Pelo menos há quem pense mudar de atividade.

“Se a situação em Tunis continuar como está, temos então que encontrar outro trabalho para sobreviver. Penso mesmo em ir para o estrangeiro, tornar-me imigrante na Europa, em Itália ou França. Por outro lado, algumas pessoas serão forçadas a roubar, a fazer sequestros ou vender drogas para conseguir dinheiro. Alguns jovens podem mesmo ser enganados para trabalhar para os grupos terroristas, levarão uma lavagem cerebral para se tornarem terroristas. De pessoas normais transformar-se-ão em indivíduos com barba e turbantes e a praticar a Jihad em nome do Islão”, diz outro comerciante.

As autoridades reforçaram a segurança nas zonas turísticas. Só no dia do ataque, deixaram o país cerca de três mil estrangeiros.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Manifestações contra o terrorismo na Tunísia

Capitão considerado culpado pela colisão no Danúbio que matou pelo menos 27 pessoas em 2019

Suposto cúmplice do assassinato de casal de polícias começou a ser julgado em Paris