EventsEventos
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Voto da Amnistia Internacional pela despenalização da prostituição gera polémica

Voto da Amnistia Internacional pela despenalização da prostituição gera polémica
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O clamor não se fez esperar depois da Amnistia Internacional ter tomado posição a favor da despenalização da prostituição. As quatro centenas de

PUBLICIDADE

O clamor não se fez esperar depois da Amnistia Internacional ter tomado posição a favor da despenalização da prostituição. As quatro centenas de delegados do conselho internacional da ONG aprovaram esta terça-feira, em Dublin, na Irlanda, uma moção que visa lutar por um quadro legal para prostitutas, clientes e proxenetas. O debate foi aceso mas a maioria votou favoravelmente.

A diretora-adjunta para a Europa, Gauri Van Gulik, explica que “a prostituição não é um direito humano, mas as trabalhadoras sexuais têm direitos humanos, têm direito à segurança, a cuidados de saúde, a serem livres do tráfico e da exploração.”

As reações de desagrado devem-se, em particular, ao facto da moção referir a despenalização dos proxenetas. A legislação na Europa difere de país para país. Enquanto a França, a Suécia ou a Noruega punem os clientes, na Alemanha, na Bélgica ou na Holanda a prostituição está regulamentada.

#ICM2015#NoAmnesty4Pimpspic.twitter.com/RoMwvcKxtO

— Gerda Christenson (@QAB18) August 12, 2015

#amnesty will für die Deregulierung der Prostitution & einen freien Markt der Frauenhändler kämpfen. Geht's noch?! http://t.co/SW2zsOCZfx

— EMMA (@EMMA_Magazin) August 12, 2015

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Suécia passa a permitir mudança de género a partir dos 16 anos

Centenas de reclusos fogem da principal prisão de Port-au-Prince

Grécia torna-se primeiro país cristão ortodoxo a legalizar casamento de pessoas do mesmo sexo