A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Voto da Amnistia Internacional pela despenalização da prostituição gera polémica

Voto da Amnistia Internacional pela despenalização da prostituição gera polémica
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O clamor não se fez esperar depois da Amnistia Internacional ter tomado posição a favor da despenalização da prostituição. As quatro centenas de delegados do conselho internacional da ONG aprovaram esta terça-feira, em Dublin, na Irlanda, uma moção que visa lutar por um quadro legal para prostitutas, clientes e proxenetas. O debate foi aceso mas a maioria votou favoravelmente.

A diretora-adjunta para a Europa, Gauri Van Gulik, explica que “a prostituição não é um direito humano, mas as trabalhadoras sexuais têm direitos humanos, têm direito à segurança, a cuidados de saúde, a serem livres do tráfico e da exploração.”

As reações de desagrado devem-se, em particular, ao facto da moção referir a despenalização dos proxenetas. A legislação na Europa difere de país para país. Enquanto a França, a Suécia ou a Noruega punem os clientes, na Alemanha, na Bélgica ou na Holanda a prostituição está regulamentada.