EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

China:Explosões em Tianjin fizeram pelo menos 44 mortos

China:Explosões em Tianjin fizeram pelo menos 44 mortos
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Sobe para 44 o número de mortos da série de explosões que destruiu uma área industrial na cidade de Tianjin, no nordeste da China. Segundo a

PUBLICIDADE

Sobe para 44 o número de mortos da série de explosões que destruiu uma área industrial na cidade de Tianjin, no nordeste da China.

Segundo a agência estatal Xinhua, há também a registar cerca de 400 feridos. De acordo com a agência, as explosões teriam sido causadas por materiais inflamáveis e explosivos num terminal de contentores.

A onda de choque foi sentida a vários quilómetros e o impacto quebrou janelas de inúmeras habitações.

“Nós soubemos do acidente em Pequim, viemos logo para aqui para procurar o meu irmão, mas ainda não o vimos. Sabemos que há muitos mortos, falaram que havia sete corpos no chão e também um bombeiro morto. Estamos muito preocupados. “

Este residente em Tianjin receia agora os químicos concentrados no ar. “Estamos preocupados, muito preocupados. Neste momento não sabemos o que está no ar, estamos preocupados que possa haver substâncias perigosas.”

A primeira explosão ocorreu às 23h30 hora local e causou um barulho ensurdecedor segundo testemunhas, e chamas de dezenas de metros.

O Centro Chinês de Vigilância de Terramotos informou que a potência da segunda explosão, a mais violenta, foi equivalente a 21 toneladas de TNT.

Tianjin, situada a 140 km a sudeste de Pequim, é uma das maiores cidades do país, com quase 15 milhões de habitantes.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

China: Explosão na cidade portuária de Tianjin fez vários mortos e centenas de feridos

Comprar peças originais sem ir à falência: bem-vindos à feira de arte acessível de Hong Kong

Putin enaltece comércio bilateral no último dia da sua visita à China