Libaneses continuam protestos contra o governo

Libaneses continuam protestos contra o governo
De  Nelson Pereira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Continuam os protestos no Líbano. Este fim de semana estão previstas mais manifestações contra o governo e a corrupção da classe política. Depois da

PUBLICIDADE

Continuam os protestos no Líbano. Este fim de semana estão previstas mais manifestações contra o governo e a corrupção da classe política.

Depois da violência policial contra os manifestantes nas manifestações do fim de semana passado, em Beirute, o ministro do Interior, Nohad Mashnouk, diz ter dado ordens para que os excessos não se repitam.

A campanha “Vocês cheiram mal” começou como expressão do descontentamento geral face à incapacidade do governo em organizar a recolha do lixo, que se acumula nas ruas das cidades libanesas depois de meados de julho.

A ira dos manifestantes voltou-se rapidamente contra a classe política, acusada de cuidar apenas dos seus interesses particulares, incapaz de assegurar os serviços básicos.

Depois de, no sábado e domingo passados, milhares de pessoas terem saído às ruas da capital para protestar e exigir a queda do governo, este sábado os manifestantes pretendem exigir a convocação de eleições legislativas antecipadas. Na página do movimento no Facebook, a palavra de ordem é agora “continuamos”.

Os protestos fazem eco do sentimento de indignação da população contra a corrupção generalizada da classe política e a ineficiência crónica do Estado e das instituições políticas.

#Liban Crise des ordures : heurts entre manifestants et policiers, au moins 16 blessés http://t.co/5VCnrMA0un#AFPpic.twitter.com/pfoHE0rG1o

— Agence France-Presse (@afpfr) 23 Août 2015

Após as últimas eleições de 2009, o parlamento libanês prolongou por duas vezes o seu mandato e os deputados não conseguiram eleger um chefe de Estado, um impasse que dura desde maio de 2014.

Passados mais de 25 anos depois da guerra civil de1975-1990, os serviços públicos não funcionam e a eletricidade e a água continuam a ser racionadas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Borrell no Líbano: "Este conflito é a última coisa de que o país precisa"

France Press acusa Israel de atacar deliberadamente jornalistas

Líder do Hezbollah alerta para possibilidade de "guerra total" no Médio Oriente