EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Da criação às exceções no 'espaço Schengen'

Da criação às exceções no 'espaço Schengen'
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Desde a criação da ‘Comunidade Económica Europeia’ (CEE) que se pensava na abolição de fronteiras, ou seja, em garantir a livre circulação de

PUBLICIDADE

Desde a criação da ‘Comunidade Económica Europeia’ (CEE) que se pensava na abolição de fronteiras, ou seja, em garantir a livre circulação de pessoas, entre Estados-membros.

Foi a falta de acordo, entre os Estados-membros da CEE, que levou França, Alemanha, Bélgica, Luxemburgo e os Países Baixos a criarem, entre si, em 1985, um território sem fronteiras, conhecido como ‘espaço Schengen’, já que foi nesta cidade luxemburguesa que o acordo foi assinado, a 14 de junho.

O acordo só entrará em vigor dez anos depois, a 26 de março de 1995. Durante esse período, outros países assinaram o acordo, entre eles Estados que, no início, não pertenciam à CEE, como Portugal e Espanha.

Hoje, o ‘espaço Schengen’ tem 26 membros, o que corresponde a 417 milhões de europeus num território de 4 milhões de quilómetros quadrados.

Vinte e dois, dos vinte e oito Estados-membros da União Europeia, assinaram o acordo. Os quatro restantes são países que assinaram um outro acordo, o de Associação Europeia de Comércio Livre. Há quatro países que aguardam ser integrados. Quanto ao Reino Unido e à Irlanda, decidiram não aderir.

Os planos de implementação do ‘espaço Schengen’, em cada país, obrigaram a um trabalho de preparação em diversas áreas, mas o resultado final é simples: o fim das fronteiras e do controlo aduaneiro no ‘espaço Schengen’. Os cidadãos são livres para se deslocarem de um país para outro, dentro deste espaço.

Mas a suspensão do acordo, em casos excecionais, está prevista, ainda que haja condições impostas e que deva acontecer por tempo limitado. Em 2011, no pós ‘Primavera Árabe’, França restabeleceu, temporariamente, o controlo fronteiriço, quando Itália começou a emitir, aos milhares de refugiados que chegavam a Lampedusa, autorizações de residência temporária.

Desde essa altura que vários líderes europeus pedem modificações ao acordo mas nada foi feito. Por seu lado, nas fronteiras externas endurece-se o controlo fronteiriço, com medidas de exceção. Há países que querem construir muros, Ceuta adotou a medida há vários anos, a Hungria criou agora a sua própria barreira, uma cerca que, ainda assim, tem um fraco efeito dissuasor.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Dois soldados israelitas mortos em ataque do Hamas na Faixa de Gaza

Scholz promete melhorar o processamento de migração irregular

Campeonato europeu não tira economia alemã da estagnação