Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Hasni Abidi: "Os próximos dias serão sombrios para Israel e Mahmoud Abbas"

Hasni Abidi: "Os próximos dias serão sombrios para Israel e Mahmoud Abbas"
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Para falar da tensão que reina em Jerusalém e na Cisjordânia, a euronews falou com o analista político Hasni Abidi, em Washington.

Euronews:
Podemos considerar que o que se está a passar em Jerusalém e na Cisjordânia como o começo de uma terceira intifada?

Hasni Abidi:
Podemos falar de uma atmosfera parecida com a que antecedeu a segunda intifada palestiniana, considerando a tensão atual na região. Antes de mais, assistimos à incapacidade da Autoridade Palestiniana em resolver os problemas dos cidadãos, para lá das medidas restritivas do governo israelita face aos palestinianaos da Cisjordânia e também o bloqueio de Gaza, sem esquecer a proibição, desde há vários meses, de que os palestinianos acedam à mesquita de Al-Aqsa e também a proibição de que acedam à cidade velha de Jerusalém. Tudo isto poderá ter contribuído para a tensão e violência entre palestinianos e israelitas.

Euronews:
A Autoridade Palestiana acusa Israel de contribuir para a escalada da tensão, por outro lado, Benjamin Nethanyahu confirma que o seu país combate o terrorismo palestiniano. Estas declarações podem conduzir a uma escalada entre os dois campos ao nível político?

Hasni Abidi:
Assistimos a uma comunidade internacional ausente, e face a este vazio e a esta falta de iniciativas e os diferentes obstáculos ao processo de paz, penso que os próximos dias serão sombrios e muito difíceis quer para os israelitas quer para Mahmoud Abbas, que já ameaçou demitir-se e pôr fim aos acordos de Oslo, considerando que não modificaram a situação do povo palestiniano.

Euronews:
No contexto atual em que a comunidade internacional lida com diferentes dossiês, a começar pela crise síria, é ainda possível que os apelos da Autoridade Palestiniana a proteger o seu povo possam ser ouvidos pela comunidade internacional?

Hasni Abidi:
Quando o presidente Mahmoud Abbas pede a Ban Ki Moon que proteja a socidade civil, trata-se de uma forma de mostrar que a Autoridade Palestiniana pode demitir-se a qualquer momento, e se tal acontece, isto significaria que Israel teria que assumir todas as responsabilidades como está estipulado nos acordos de Genebra e respetivos anexos. A ONU não vai intervir mas ao fim e ao cabo a intenção de Abbas é de dizer que os palestinianos deixaram de acreditar em todas as propostas que foram feitas, e isto conduzirá a um impasse e a uma crise para as Nações Unidas.

Euronews:
Com o inflamar da tensão entre palestinianos e israelitas, existe uma possibilidade de um regresso à mesa das negociações?

Hasni Abidi:
Mahmoud Abbas é alvo de uma grande pressão, ao nível interno por parte dos palestinianos, e ao nível externo, por parte da comunidade internacional, nomeadamente da parte dos Estados Unidos e da França, que exigem um regresso às negociações e se opõem à dissolução da Autoridade Palestiniana. É possível um regresso às discussões, mas, desta vez, sem um calendário preciso e sem qualquer garantia , o que significaria um regresso ao ponto de partida, sem qualquer solução política no horizonte.