A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Afeganistão: Médicos Sem Fronteiras exigem investigação independente aos ataques de Kunduz

Afeganistão: Médicos Sem Fronteiras exigem investigação independente aos ataques de Kunduz
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Os Médicos Sem Fronteiras querem que seja feita uma investigação independente aos ataques de Kunduz. O inquérito deve ser feito por uma comissão internacional humanitária. Recorde-se que na madrugada de sábado, um ataque da aviação norte-americana contra o hospital de Kunduz, no Afeganistão provocou 22 mortos, entre eles médicos e civis, incluindo três crianças.

A presidente da organização,Joanne Liu, explicou numa conferência de imprensa, que não tem “confiança num inquérito militar interno feito pelos Estados Unidos, NATO e exército afegão. Joanne Liu sublinhou que “é necessário voltar a respeitar a Convenção de Genebra. Enquanto médicos lutam pela saúde dos pacientes e insiste que até as guerras têm regras”.

Entretanto, os Estados Unidos já reconheceram que o hospital de Kunduz foi bombardeado “por erro”,num ataque decidido pela cadeia de comando norte-americana, mas a pedido das forças afegãs. A presidente dos Médicos sem Fronteiras garante que no hospital d não estavam guerrilheiros nem terroristas – eventualmente combatentes que tivessem ficado feridos, que têm de receber tratamento de acordo com as leis internacionais.

Este bombardeamento em Kunduz ocorreu dias depois de a cidade ter sido tomada pelos talibãs. O exército afegão conseguiu recuperá-la dias mais tarde, mas os confrontos prosseguiram entre as duas partes, que controlam diferentes bairros na cidade.