Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Putin defende intervenção na Síria e assegura que não vai enviar o exército

Putin defende intervenção na Síria e assegura que não vai enviar o exército
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A Rússia defende a intervenção armada no conflito sírio e tenta acertar posições com os inimigos de Assad. De acordo com o ministério da Defesa, a força aérea russa efetuou 64 raides entre sábado e domingo e destruiu 53 posições do autoproclamado Estado Islâmico. Entretanto, o presidente russo recebeu ontem o ministro da Defesa saudita, e filho do monarca, em Sochi. A Arábia Saudita opôs-se à intervenção russa. Na declaração final, ambos os países manifestaram a sua oposição à criação de um “califado terrorista” na região.

Numa entrevista a uma televisão russa, Vladimir Putin explicou que a intervenção aérea limita-se a apoiar as operações militares do exército regular sírio, de forma “a estabilizar o governo legalmente instituído e a criar as condições para que seja alcançado um compromisso político”. O presidente russo assegurou que não iria enviar soldados para combater ao lado das forças regulares do regime de Assad.

A coligação da oposição síria no exílio anunciou no domingo que não iria participar nas discussões preliminares propostas pela ONU para preparar negociações de paz e denunciou o que chama de agressão russa.

No terreno, o exército regular está a beneficiar do apoio aéreo russo reconquista posições estratégicas.