Última hora
This content is not available in your region

"Marine Le Pen" da Suíça pode ser ministra

"Marine Le Pen" da Suíça pode ser ministra
Tamanho do texto Aa Aa

A Suíça virou a direita com a vitória do Partido do Povo da Suíça (UDC ou SVP), formação anti-imigração e anti-Europa nas eleições de domingo. Conquistou 29% dos votos.

Mas a novidade é também a entrada no parlamento de Magdalena Martullo-Blocher, também conhecida como a “Marine le Pen” da Suíça.

É filha do ideólogo do partido e principal financiador, o multimilionário Christoph Blocher, antigo defensor do Apartheid na África do Sul e militante contra a igualdade de género no casal.

Magdalena Martullo-Blocher explicou que “foi um resultado muito bom que fez vibrar o partido, com um grande esforço no cantão de Graubunden. Estou otimista de que podemos levar esta dinâmica para o parlamento em Berna”.

O multimilionário não está na política ativa, mas a filha poderá receber uma pasta ministerial, pelo menos a acreditar nalguma imprensa helvética.

A esquerda suíça está descontente. Em Berna, uma manifestação não autorizada, em dia de eleições, no domingo, contra regras de asilo mais restritas, degenerou em confrontos com a polícia. Uma centena de pessoas foram detidas, de acordo com as autoridades.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.