A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Ouattara: O triunfo da persistência

Ouattara: O triunfo da persistência
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Quando Alassane Ouattara chegou ao poder na Costa do Marfim, em 2011, pondo fim ao longo reinado de Laurent Gbagbo, foi o culminar de uma longa luta para chegar ao topo.

Antes, este economista, antigo quadro do FMI e primeiro-ministro no início dos anos 90, tinha-se visto impedido por duas vezes de concorrer à presidência, porque a mãe é natural do Burkina Faso. As autoridades alegavam dúvidas sobre a nacionalidade para o impedirem de roubar o poder a Gbagbo.

Ao fim de duas tentativas falhadas de disputar a presidência, Ouattara conseguiu. Se venceu as eleições de 2010 nas urnas, só com a força das armas é que desalojou Gbagbo do poder. A ONU deu Ouattara como vencedor, mas os resultados oficiais deram a vitória ao presidente reinante.

Às eleições seguiram-se vários meses de crise e um conflito que fez cerca de 3000 mortos. A vitória definitiva só chegou em abril de 2011, com a prisão de Gbagbo por parte das forças francesas.

Ouattara entra agora num segundo mandato depois de cinco anos pacíficos, marcados pelo relançamento da economia marfinense, com o regresso do investimento estrangeiro e com a aposta nas infraestruturas, energia, agricultura e serviços. O país parece ter recuperado rapidamente a estabilidade e as eleições decorreram sem incidentes.