Moscovo declara 1 de novembro dia de luto nacional

Moscovo declara 1 de novembro dia de luto nacional
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Dor e consternação no aeroporto de São Perteburgo, na Rússia, onde as famílias das 224 vítimas do acidente do aribus da KogalimAvia esperam notícias

PUBLICIDADE

Dor e consternação no aeroporto de São Perteburgo, na Rússia, onde as famílias das 224 vítimas do acidente do aribus da KogalimAvia esperam notícias oficiais.

Até ao momentoforam resgtados cem corpos. O avião estava a uma altitude de 9.400 metros quando desapareceu dos radares. Uma parte do aparelho ficou totalmente destruída, haverá no entanto uma zona preservada nas imediações do depósito de combustível a que os socorristas ainda não puderam aceder.

Vladimir Stepanov, Vice-ministro para as Situações de Emergência:

“Dirijo-me ao centro regional nordeste, que já organizou o trabalho multidisciplinar das equipas no terreno com psicólogos, médicos e grupos operacionais no aeroporto com membros da famílias. Peço que organizem o dia de trabalhamo de forma as nos manter atualizados a cada 3 horas.”

Para já ainda não existe confirmação de qualquer sobrevivente. A bordo estavam 63 homens, 138 mulheres e 17 crianças e adolescentes com idades entre dois e 17 anos.

Foi já recuperada uma das caixas-pretas dos Airbus A321.
O presidente russo, Vladimir Putin declarou 01 de novembro um dia de luto nacional e ordenou o envio de uma aeronave para ajudar nos esforços de socorro de emergência.

O Exército de Israel ofereceu ajuda ao Egito e à Rússia para apoiar nos trabalhos de resgate já que o local do acidente se situa na fronteira de Israel com o vizinho Egito que corre ao longo do Sinai.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Incêndio em prédio de 14 andares em Valência faz pelo menos quatro mortos

Mãe de Alexei Navalny pede à justiça entrega do corpo

Russos continuam a homenagear Navalny apesar do risco de detenção. Mais de 400 já foram presos