A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Cidade síria de Alepo bombardeada pela aviação russa

Cidade síria de Alepo bombardeada pela aviação russa
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Alepo foi uma das cidades sírias bombardeadas, esta segunda-feira, pela aviação russa. Segundo fontes militares os ataques permitiram destruir várias instalações “terroristas.” O termo continua a dividir os apoiantes e os contestatários do regime de Bashar Al-Assad envolvidos numa guerra com três protagonistas: as forças governamentais, os rebeldes e os extremistas do autodenominado Estado Islâmico.

A onda de violência pôs milhares de pessoas em fuga, muitas em direção à Europa. Alepo é, hoje, uma cidade destruída e, julgar pelos números em relação a 2011, praticamente fantasma.

A intervenção russa em território sírio a 30 de setembro deu um novo alento ao chefe de Estado, Bashar Al-Assad, apoiado militarmente pelo Irão e pela guerrilha libanesa do Hezbollah.
Ao lado dos grupos rebeldes sírios, a maioria sunitas, surgem países como os Estados Unidos e a Arábia Saudita. Movidos pelos próprios interesses, todos insistem na necessidade de por fim a uma guerra que em quatro anos já provocou 250 mil mortos e milhões de desalojados.

Os primeiros passos com vista a uma solução política foram dados na semana passada na capital austríaca. Um encontro que contou, pela primeira, vez com a presença de uma delegação iraniana. O futuro de Assad dividiu os participantes, mas muitos acreditam que nem tudo está perdido. Os serviços de informação norte-americanos admitem que o chefe de Estado russo, Vladimir Putin, possa vir a “deixar cair” Bashar Al-Assad.

Mas nem tudo são diferenças. Reunidos em Viena, os representantes de cerca de 20 nações mostraram-se determinados a unir esforços na luta contra os radicais do Estado Islâmico. Uma nova ofensiva diplomática está prevista para a próxima semana.