EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Israel e UE: Uma questão de etiqueta?

Israel e UE: Uma questão de etiqueta?
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

A Autoridade Palestiniana felicitou-se com a decisão da UE de identificar os produtos provenientes das colónias situadas nos territórios ocupados por

PUBLICIDADE

A Autoridade Palestiniana felicitou-se com a decisão da UE de identificar os produtos provenientes das colónias situadas nos territórios ocupados por Israel.

O ministro da Economia palestiniano, Abeer Oudeh, considerou o gesto de Bruxelas como, “uma decisão acertada para deslegitimar os produtos originários dos territórios ocupados desde 1967”. O Secretário-Geral da OLP, Saeb Erekat, foi mais longe ao considerar a decisão da UE como, “um passo importante rumo a um boicote total dos colonatos israelitas, que foram edificados de forma ilegal nos territórios palestinianos ocupados”.

A medida, discutida nas últimas três semanas e anunciada na terça-feira prevê que os produtos originários dos colonatos, e até agora etiquetados como “Produzido em Israel”, passem a ser devidamente identificados.

Cerca de 146 tipos de bens, entre fruta, vegetais, mel, azeite, vinho e cosméticos, proveninentes de colónias judaicas na Cisjordânia, Jerusalém-leste e Montes Golã, terão agora que ser identificados com precisão.

(Colónia Israelita)
Segundo a nota publicada pela UE, relativa à indicação da origem de bens provenientes dos territórios ocupados por Israel desde Junho de 1967 , este tipo de produtos terá que indicar obrigatoriamente a menção “colónia israelita”, tendo que ser etiquetado como “produto da Cisjordânia (colónia israelita)”, ou “produto dos Montes Golã (colónia israelita).
Em contrapartida, os produtos palestinianos passarão a ser identificados como “produto da Cisjordânia (produto palestiniano)” para lá das designações já existentes de “produto de Gaza” ou “produto da Palestina”.

A importação de produtos originários das colónias israelitas representa apenas 1% das trocas comerciais entre a UE e Israel que totalizaram cerca de 28 mil milhões de euros no ano passado. Vários estados-membros da UE como a Bélgica, Reino Unido e Dinamarca especificam há vários anos a origem dos bens produzidos em colónias israelitas.

“A UE devia ter vergonha”
A União Europeia garante que a medida não representa uma nova legislação, mas apenas uma indicação técnica para clarificar uma decisão de há três anos. A proposta tinha sido formulada pela primeira vez em 2012, antes de França e outros 15 países terem feito pressão sobre Bruxelas, em Abril, para que aplique a decisão.

Mas os argumentos de Bruxelas não parecem ter acalmado a ira de Israel.

O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu afirmou que, “a UE deveria ter vergonha”, acusando os 28 de “castigar o lado que está a ser atacado pelo terrorismo”. Num comunicado , o ministério dos Negócios Estrangeiros israelita fulminava, “uma medida excecional e um gesto discriminatório”. Yuval Steinitz, um ministro sem pasta do governo israelita, não hesitava mesmo em falar de “anti-semitismo disfarçado”. Um crescendo de tensão que levou mesmo Netanyahu a anunciar a suspensão de todas as reuniões regulares com a UE, antes do seu porta-voz esclarecer que a decisão seria temporária.

Segundo a ONU, que considera as colónias israelitas como ilegais à luz da legislação internacional, existiriam atualmente cerca de 150 colonatos na Cisjordânia e Jerusalém-leste e cerca de 100 outras instalações construídas sem autorização oficial.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ursula von der Leyen foi reeleita Presidente da Comissão Europeia

Israel apresenta alegadas provas de que trabalhador humanitário pertencia à Jihad Islâmica

Dezenas de mortos em Gaza e civil usado como escudo humano por israelitas na Cisjordânia