EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Mais muros vão erguer-se na Europa

Mais muros vão erguer-se na Europa
Direitos de autor 
De  Euronews com reuters, afp, lusa
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A Áustria anunciou a construção de uma vedação com cerca de 4 quilómetros para colocar na fronteira mais concorrida com a Eslovénia e prepara uma outra barreira mais longa para instalar em caso de nec

PUBLICIDADE

Pouco a pouco, os muros, as barreiras voltam a erguer-se na Europa, agora com a justificação de controlar o fluxo maciço de migrantes que aflui ao velho continente por causa da guerra e da falta de perspetivas de futuro nos países de origem.

A Áustria anunciou a construção de uma vedação com cerca de 4 quilómetros para colocar na fronteira mais concorrida com a Eslovénia e prepara uma outra barreira mais longa para instalar em caso de necessidade. A ministra da Administração Interna, Johanna Mikl-Leitner, explicou que a segunda vedação, com cerca de 25 quilómetros, poderá “ser montada em apenas 48 horas”.

Também a Hungria afirma estar pronta para instalar uma barreira de segurança, desta vez na fronteira com a Roménia. O governo ultraconservador de Budapeste afirma que só a irá instalar “no pior dos cenários”, mas que o fará “se for necessário” para “defender o país.

A Suécia reintroduziu o controlo nas fronteiras esta quinta-feira, dia em que o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, afirmou que “salvar Schengen é uma corrida contra o tempo” e que “sem um controlo efetivo das fronteiras, as regras” do espaço europeu de livre circulação “não irão sobreviver”.

Já o presidente da Comissão Europeia afirmou não estar satisfeito com a forma como está a decorrer o processo de relocalização de refugiados. “Se continuarmos a este ritmo, acabamos em 2101”, ironizou Jean-Claude Juncker.

Depois de ter oferecido 1800 milhões de euros aos países africanos na cimeira informal, em Malta, a União Europeia prepara-se para dar 3000 milhões de euros à Turquia para ajudar os 2 milhões de refugiados sírios no país.

A Turquia é crucial para travar a vaga migratória, por isso, a Europa vai convidar o presidente Recep Tayyip Erdogan para uma cimeira ainda este mês e prepara-se para alargar o âmbito das conversas sobre a eventual entrada de Ancara na União Europeia.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Bulgária acusada de violência contra os refugiados

União Europeia e África acordam plano para gerir fluxos migratórios

Cheias fazem cinco mortos na Alemanha, Áustria fecha Danúbio à navegação devido à subida das águas