EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Rússia leva ações da Turquia no Iraque e na Síria ao Conselho de Segurança da ONU

Rússia leva ações da Turquia no Iraque e na Síria ao Conselho de Segurança da ONU
Direitos de autor 
De  Euronews com reuters, afp, efe
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A pedido da Rússia, o Conselho de Segurança das Nações Unidas analisa, esta terça-feira, ações da Turquia, no Iraque e na Síria, que estão a degradar as relações de Ancara tanto com Bagdade como com M

PUBLICIDADE

A pedido da Rússia, o Conselho de Segurança das Nações Unidas analisa, esta terça-feira, ações da Turquia, no Iraque e na Síria, que estão a degradar as relações de Ancara tanto com Bagdade como com Moscovo.

Segundo Bagdade, a “Turquia violou a soberania do Iraque” ao enviar tropas para o território sem o consentimento do governo” iraquiano, afirmou o ministro dos Negócios Estrangeiros do Iraque.

Ancara, pela voz do vice-primeiro-ministro Numan Kurtulmus, afirma que a Turquia está presente no Iraque para treinar as forças locais na luta contra o terrorismo e espera que o assunto fique resolvido após uma troca de correspondência entre os chefes de governo e reuniões ao nível ministerial sobre o assunto.

Mas, o impasse prossegue quando faltam poucas horas para terminar o prazo dado por Bagdade a Ancara para retirar as suas tropas de um campo de treino próximo de Mossul, onde a Turquia afirma já ter formado mais de 2000 militantes que combatem os jihadistas do autoproclamado Estado Islâmico.

Bagdade exige a retirada dos cerca de 600 militares mas não dos conselheiros que dão a formação.

O Conselho de Segurança da ONU deverá também analisar o abate de um avião de combate russo pelo exército turco junto à fronteira com a Síria, no passado dia 24 de novembro.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Primeiro contingente de tropas da Alemanha chega a Vilnius para reforçar flanco leste da NATO

Porta-voz do exército israelita: "Pode haver um cessar-fogo hoje ou daqui a um ano".

Ucrânia: guerra às portas da Europa abre caminho a projeto de defesa comum