EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Tunisinos recompensados depois de "ano horrível"

Tunisinos recompensados depois de "ano horrível"
Direitos de autor 
De  Ricardo Figueira com Beatriz Beiras
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A Tunísia protagonizou mais avanços democráticos que qualquer outro país da "Primavera Árabe", mas durante o ano de 2015 sofreu pelo menos três rudes golpes com o terrorismo.

PUBLICIDADE

Uma fé inabalável no diálogo para resolver problemas políticos: É o lema do quarteto tunisino para o diálogo nacional, repetido na entrega da Legião de Honra em Paris, antes do Nobel em Oslo. O grupo lembrou também os atentados de Paris, a 13 de novembro e os de Tunes, 11 dias depois: “Os atentados que aconteceram em Tunes no mesmo mês foram uma tentativa de pôr fim ao processo democrático. Devemos ajudar esta jovem democracia a conservar a paz na Tunísia, em França e no resto do mundo”, disse Abdessattar Ben Moussa, presidente da Liga Tunisina para os Direitos Humanos.

Foi o que as quatro organizações fizeram em 2013. Ao organizar um diálogo nacional entre os islamitas do Ennahda, no poder, e a oposição, o quarteto salvou a transição democrática na Tunísia.

No meio do tumulto da primavera árabe, o país onde tudo começou em 2011 faz figura de exceção. Depois de décadas de ditadura e dois anos de conflitos e compromissos, os tunisinos adotam uma constituição progressista, que protege a liberdade de culto e os direitos das mulheres.

No final de 2014, os tunisinos voltam a ter ocasião de festejar, ao eleger pela primeira vez um presidente por sufrágio universal e com todas as garantias democráticas.

Mas 2015 foi o ano de todos os perigos para a jovem democracia: A 18 de março, o museu do Bardo é atacado por jihadistas, que fazem 22 mortos.

Em junho, o terror chegou à praia, em Sousse: Balanço: 33 mortos. É um golpe na indústria turística do país, vital para a recuperação económica.

Além disso, segundo a ONU, 5500 tunisinos terão partido para a Síria, para o Iraque ou para a Líbia, para combater em grupos radicais armados.

A 24 de novembro, o presidente Beji Caïd Essebsi foi obrigado a decretar o estado de emergência pela segunda vez no ano: Um ataque à bomba contra um autocarro da guarda presidencial fez 12 mortos. 11 dias depois do massacre de Paris, foi mais uma vez o grupo Estado Islâmico a reivindicar.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Acordo para acolher migrantes retidos entre Tunísia e Líbia

União Europeia e Tunísia assinam parceria estratégica

Crise de migrantes motiva nova viagem da "team Europa" à Tunísia