Espanha: A monarquia sentada no banco dos réus no caso Noos

Espanha: A monarquia sentada no banco dos réus no caso Noos
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A irmã do rei de Espanha senta-se esta segunda-feira no banco dos réus, acusada de fraude fiscal, no início do processo do caso Noos. O julgamento

PUBLICIDADE

A irmã do rei de Espanha senta-se esta segunda-feira no banco dos réus, acusada de fraude fiscal, no início do processo do caso Noos.

O julgamento, que deverá prolongar-se até junho, após a fase de instrução ter durando mais de quatro anos, implica o marido da Infanta Cristina, Iñaki Urdangarín e outros 16 arguidos, acusados também de desvio de fundos, tráfico de influências e branqueamento de capitais.

Os advogados de defesa da ex-duquesa de Palma, vão tentar no entanto absolver a Infanta, ao abrigo da chamada “doutrina Botin”. Uma jurisprudência que permite anular o processo sempre que as acusações não sejam corroboradas pelo ministério público, o que acontece atualmente, quando as acusações contra Cristina foram interpostas por uma associação de luta contra a corrupção.

Os arguidos do processo são acusados de terem desviado mais de 6,1 milhões de euros de fundos públicos através do Instituto Noos, uma fundação presidida por Urdangarín. A infanta Cristina que se afirma inocente, presidia com o marido outra empresa, Aizoon, utilizada para desviar fundos para o património pessoal do casal.

O caso volta a manchar a reputação da coroa espanhola, quando Iñaki Urdangarín e o seu principal sócio, Diego Torres incorrem numa pena de até 19 anos de prisão.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Turista espanhola violada por um grupo na Índia

Agricultores espanhóis bloqueiam estradas e autoestradas com tratores, pneus e ramos de árvores

Puigdemont investigado por terrorismo