Nações Unidas denuncia crimes comentidos pelas forças de segurança Burundi

Nações Unidas denuncia crimes comentidos pelas forças de segurança Burundi
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

As forças de segurança do Burundi praticaram violações em grupo enquanto faziam buscas nas casas de líderes da oposição suspeitos. A denúncia é feita

PUBLICIDADE

As forças de segurança do Burundi praticaram violações em grupo enquanto faziam buscas nas casas de líderes da oposição suspeitos. A denúncia é feita pelas Nações Unidas, que garante ter provas das acusações.
Num relatório divulgado esta sexta-feira, explicam que os agentes separaram as mulheres e as violaram. Há, até ao momento, 13 casos de violência sexual.

Rupert Colville, porta-voz do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos, explica que
“a ideia de que estes casos podem ter uma dimensão étnica ganha força: uma das mulheres que foi vítima de abusos sexuais disse que o violador afirmou que estava a pagar o preço de se Tutsi. Outra testemunha garantiu que os Tutsis foram sistematicamente mortos, enquanto os Hutus foram poupados. E no bairro de Muramvya, em Bujumbura, de acordo com várias testemunhas, a decisão de prender pessoas era tomada com base na étnia”.

A ONU diz que as forças de segurança terão ainda sequestrado, torturado e matado dezenas de homens jovens. Além disso, estão a ser investigadas nove valas comuns encontradas em Bujumbura e em redor da capital.

Violations des droits de l’homme au #Burundi: de nvlles tendances émergent – viols, disparitions forcées, tortures https://t.co/MFXezGhV7b

— UN Human Rights (@UNrightswire) 15 janeiro 2016

Nos últimos meses, a violência no Burundi já fez mais de 400 mortos e 200 mil pessoas abandonaram o país.

A situação agravou-se depois do presidente Pierre Nkurunziza ter anunciado que se vai candidatar a um terceiro mandato, o que obrigava a mudar a Constituição.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Guterres condena ataque "inconcebível" que matou trabalhadores humanitários em Gaza

ONU exige cessar-fogo em Gaza durante o mês sagrado muçulmano do Ramadão

UNRWA diz que Israel está a proibir entrada de ajuda humanitária no norte de Gaza