Última hora
This content is not available in your region

Quarta revolução industrial discutida em Davos

Quarta revolução industrial discutida em Davos
Tamanho do texto Aa Aa

Entre estrelas da política e da economia e outras ainda mais mediáticas, como Leonardo di Caprio, a edição deste ano do Fórum Económico Mundial em Davos, na Suíça, tem como tema a quarta revolução industrial.

Se pensarmos que a terceira revolução industrial foi a informatização e que a era digital começou em meados do século XX, agora estamos a assistir a uma quarta revolução, que tem a ver com as novas tecnologias.

O que é essa nova revolução industrial? Foi o que perguntámos à economista-chefe do Fórum, Jennifer Blanke: “Se pensarmos que a terceira revolução industrial foi a informatização e que a era digital começou em meados do século XX, agora estamos a assistir a uma quarta revolução, que tem a ver com as novas tecnologias – a biotecnologia, a inteligência artificial, a impressão 3D. Tudo isso são coisas diferentes que se estão a juntar”.

A repórter da euronews Sarah Chappell conta-nos tudo deste fórum: “Este ano, o Fórum de Davos olha para a transformação da economia mundial ao longo das décadas à nossa frente. Mas o que domina as discussões são os desafios do aqui e do agora. 2016 começou com vários avisos sobre a economia global e o mês de janeiro mais duro para os mercados financeiros de que muitos se podem lembrar”.

A propósito dos problemas da China, falámos com Nariman Behravesh, economista-chefe da IHS Consulting: “A resposta inadequada da China aos problemas financeiros é um risco a curto prazo para a economia global. Não penso que vá levar a uma recessão, mas cria muita ansiedade junto dos investidores e está a ter efeitos em todo o mundo financeiro”.

Este ano, o Fórum de Davos conta com 2500 pessoas, entre líderes políticos, empresariais e de organizações internacionais, académicos e jornalistas.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.