EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Myanmar: Fim do processo de transição não afasta militares do poder

Myanmar: Fim do processo de transição não afasta militares do poder
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O Myanmar parece longe do fim do processo de transição política do regime militar, no dia em que terminam os cinco anos de mandato do parlamento

PUBLICIDADE

O Myanmar parece longe do fim do processo de transição política do regime militar, no dia em que terminam os cinco anos de mandato do parlamento interino.

O novo hemiciclo, liderado pelo partido de Aung San Suu Kyi, vai tomar posse na segunda-feira, com uma Constituição que impede a antiga líder da oposição de assumir a presidência, concedendo o direito de veto aos militares que controlam ainda 25% do novo hemiciclo.

Uma situação que não distanciou a vencedora das eleições de Novembro do discurso de reconciliação, esta sexta-feira, no parlamento:

“Quero dar as boas vindas aos novos membros do parlamento. Entretanto queria felicitar os antigos membros pelo trabalho que levaram a cabo, o futuro é agora muito mais claro para os novos deputados”, afirmou Suu Kyi.

Sob o governo transitório do presidente Thein Sein, eleito em 2011 e que abandona o cargo em Março, os militares tinham acordado medidas como a libertação de prisioneiros políticos, a legalização dos sindicatos ou o fim da censura.

Várias questões permanecem, no entanto, em aberto, como a polémica amnistia para os responsáveis militares, ou os mais de 400 ativistas políticos que continuam ainda a aguardar julgamento no país.

Situações que parecem abrir uma brecha na Liga Nacional para a Democracia, quando vários membros do partido de Suu Kyi rejeitam o acordo para dar a vice-presidência do parlamento ao partido da União, Solidariedade e Desenvolvimento, “herdeiro” da junta militar que governou o páis durante cinco décadas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Partido que libertou a África do Sul do "apartheid" perdeu as eleições gerais 30 anos depois

Conservadores no poder vencem eleição na Croácia, mas precisam de apoios para governar

Eleições parlamentares no Irão começam com mais de 15 mil candidatos