Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Brasil debate alterações na lei do aborto

Brasil debate alterações na lei do aborto
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

No Brasil um grupo de investigadores, ativistas e advogados reabriu o debate relativo ao aborto.

"A mulher não pode passar por uma situação em que é obrigada a levar por diante uma gravidez dentro de uma situação de crise, epidemia ou até de pandemia" - Beatriz Galli, advogada e porta-voz do grupo Cladem

O grupo pretende requerer ao Supremo Tribunal que autorize o aborto nos casos de infeção pelo vírus Zika.

A legislação brasileira proíbe o aborto exceto num número muito restrito de casos incluindo violações ou quando a gravidez ameaça a vida da mãe.

“A gente não tem um diagnóstico 100% seguro. Como é um futuro e uma incerteza, a mulher não pode passar por uma situação sendo obrigada a levar por diante uma gravidez dentro de uma situação de crise, epidemia ou até de pandemia como disse a Organização Mundial de Saúde, em relação ao vírus da Zika”, adiantou Beatriz Galli, advogada e porta-voz do grupo Cladem.

O governo brasileiro redobrou os esforços para conter o alastramento do vírus que é transmitido pelo mesmo mosquito responsável pela febre dengue.

Muitos contudo acreditam que a criação de exceções poderá abrir a porta a abusos.

“Na verdade está-se querendo realmente permitir o aborto em muitas situações. Por exemplo, se permitir para a microcefalia, porque não para a síndrome de Down, porque não para as outras doenças que afetam de alguma forma a criança”, afirma Lenise Garcia, presidente da organização “Brasil Sem Aborto”.

Na semana passada, a presidente brasileira, Dilma Rousseff, anunciou medidas para combater o Zika. Rousseff disse que iria recorrer a cerca de 220 mil soldados que iriam ajudar a eliminar o vírus.

Entretanto, num outro desenvolvimento, as autoridades norte-americanas anunciaram esta terça-feira o primeiro caso de transmissão do vírus Zika por via sexual.