EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Turquia avisa Rússia para "graves consequências" de novos ataques na Síria

Turquia avisa Rússia para "graves consequências" de novos ataques na Síria
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O responsável da diplomacia turca alertou esta noite a Rússia para “as graves consequências” de novos ataques contra zonas civis, como aqueles

PUBLICIDADE

O responsável da diplomacia turca alertou esta noite a Rússia para “as graves consequências” de novos ataques contra zonas civis, como aqueles registados esta segunda-feira em Idlib e Aleppo.

Horas antes, de visita a Kiev, o primeiro-ministro turco tinha apontado o dedo a Moscovo, depois do Kremlin garantir que os seus bombardeamentos visam apenas “grupos terroristas”.

“O facto destas declarações serem pronunciadas apesar do acordo alcançado em Munique, mostra que a Russia não está interessada na paz ou num cessar-fogo e que está pronta a matar mais civis e levar a cabo mais massacres para garantir a sobrevivência do regime de Assad”, afirmou Ahmet Davotuglu.

O embaixador sírio na Rússia, Riad Haddad, apontou por seu lado responsabilidades aos Estados Unidos:

“Relativamente ao hospital que foi destruído, trata-se de uma ação da força aérea norte-americana. As forças armadas russas não têm nada a ver com esta ação e os nossos serviços secretos podem testemunhá-lo”.

Numa declaração publicada ao final da noite, os Estados Unidos acusavam o exército sírio e, “os seus aliados” de serem os autores dos bombardeamentos contra os hospitais e escolas no norte da Síria.

Em paralelo, o presidente Sírio Bashar Al-Assad, sem referir-se aos bombardeamentos, afirmou que o cessar-fogo previsto para o final da semana, “será difícil de implementar”, apontando o dedo aos “grupos terroristas” no terreno.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Bombardeamentos provocam 50 mortos em hospitais e escolas no norte da Síria

Terzian: "Um médico na Síria é igual a um criminoso"

O xadrez geopolítico do conflito sírio: EUA, Rússia, Turquia e Arábia Saudita