EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Uganda: Eleições presidenciais com fortes perturbações

Uganda: Eleições presidenciais com fortes perturbações
Direitos de autor 
De  Euronews com LUSA/AFP/EFE
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O principal candidato da oposição nas eleições presidenciais do Uganda foi preso novamente, esta sexta-feira, na sede do seu partido, o Fórum para a

PUBLICIDADE

O principal candidato da oposição nas eleições presidenciais do Uganda foi preso novamente, esta sexta-feira, na sede do seu partido, o Fórum para a Mudança Democrática (FDC).

A polícia cercou no final da manhã na sede da FDC no distrito Najjanankumbi no sul de Kampala. Esta é a terceira vez que é levado pela polícia, esta semana.

Por mais de uma hora, a tensão foi extrema entre os apoiantes de Besigye e as brigadas anti motin que dispararam gás lacrimogéneo e detiveram alguns apoiantes da FDC.

Segundo a imprensa de Uganda, a ação policial pode estar relacionado ao fato de que a FDC se preparar a publicar os seus próprios resultados da eleição presidencial, o que é ilegal.

Uma primeira eleitoral volta caótica, além dos inúmeros atrasos na abertura das urnas, há também esta grande tensão entre os candidatos Kizza Besigye, principal rival do presidente Yoweri Museveni que, aos 71 anos, incluindo 30 passados à frente do país, briga um quinto mandato.

A contagem dos votos começou ontem à tarde na maioria das assembleias de voto 28.000. Esta manhã, na última contagem, cobrindo 36,5% dos postos de votação o atual presidente Yoweri Museveni liderava com com 62,03% dos votos, à frente de Besigye (33,46%).

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Eleições europeias: O que é que os eleitores querem e o que é que os candidatos prometem?

Eleições presidenciais vão ter segunda volta na Lituânia mas Nauseda deve conseguir segundo mandato

Socialistas vencem eleições na Catalunha e terminam com 14 anos de maioria dos independentistas