EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Contestação a Dilma divide o Brasil

Contestação a Dilma divide o Brasil
Direitos de autor 
De  João Peseiro Monteiro com Folha de São Paulo, AFP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A contestação a Dilma Roussef e a Lula da Silva fez-se sentir novamente em mais um dia atribulado na política brasileira. Em Brasília foram cerca de

PUBLICIDADE

A contestação a Dilma Roussef e a Lula da Silva fez-se sentir novamente em mais um dia atribulado na política brasileira. Em Brasília foram cerca de 8 mil os manifestantes que exigiram a demissão da presidente e que se envolveram em confrontos com a polícia, no relvado em frente ao Congresso Nacional.

Protesto em Brasília reúne 8 mil em frente ao Congresso, diz polícia. https://t.co/8UW6m29bge

— Folha de S.Paulo (@folha) 18 de março de 2016

As concentrações estenderam-se ao Rio de Janeiro e a São Paulo, onde alguns milhares de pessoas bloquearam artérias importantes. “Eu estou lutando contra a corrupção. Depois do que aconteceu, esse tapa na cara, colocar o Lula como ministro é insultar o povo brasileiro. Então é assim, eu vim sozinha, eu acredito na mudança de um país. Eu espero sinceramente que isso traga um resultado para a gente no futuro” – explicou uma carioca.

O país está ao rubro depois de um dia em que a tomada de posse de Lula da Silva como ministro da presidente Dilma Rousseff foi alvo de contestação jurídica e se encontra atualmente suspensa depois de um ping-pong de decisões judiciais. A justiça já registou duas dezenas de ações contra a nomeação. No Congresso Nacional teve também início, esta quinta-feira, o processo de destituição de Dilma. Para hoje estão previstas várias manifestações de apoio à presidente.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Cheias no Brasil deixam mais de 100 mortos e milhares de desalojados

Chuvas fortes no sul do Brasil fazem pelo menos 75 mortos e mais de 100 desaparecidos

Antigo chefe do exército brasileiro ameçou prender Bolsonaro se insistisse com golpe de Estado