Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Cuba de braços abertos para receber a visita de Barack Obama

Cuba de braços abertos para receber a visita de Barack Obama
Tamanho do texto Aa Aa

Em Cuba está tudo a postos para receber a visita do presidente norte-americano, Barack Obama.

Trata-se da primeira visita oficial à ilha por um presidente norte-americano em exercício em praticamente 90 anos.

Muitos vêm esta visita como o corolário do processo de normalização diplomática entre os dois países, um processo iniciado há cerca de um ano por Obama e Raul Castro.

Nas ruas de Havana predomina um sentimento de esperança.

“O mais importante após 90 anos é ver aqui um presidente negro que vem unir esta relação e colocar um ponto final no conflito que existia, no embargo e na humilhação relacionada com a base naval de Guantánamo. O mundo precisa de paz”, afirma Maria de Los Angeles Flores Maria, uma cidadã cubana.

Para a Casa Branca, a normalização das relações com Cuba constitui uma oportunidade de renovar as relações com a América Latina, manchadas por anos de intervencionismo na região.

Durante a visita, Obama irá reunir-se igualmente com dissidentes políticos e abordar questões como liberdade política e direitos humanos.

Dias antes da visita, o Tesouro norte-americano autorizou um grupo hoteleiro norte-americano a assinar um acordo de investimento na ilha tornando-se na primeira empresa norte-americana a investir em Cuba desde a revolução de 1959.

Ainda assim, permanecem obstáculos. Apesar de já terem sido feitos grandes progressos, o Partido Republicano continua a bloquear o levantamento do embargo económico que permanece em vigor.