Síria: Combates no terreno ameaçam negociações de paz em Genebra

Síria: Combates no terreno ameaçam negociações de paz em Genebra
De  Francisco Marques com reuters
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

As colunas de fumo registadas alegadamente em Rastan, na província de Homs, e divulgadas esta segunda-feira ameaçam colocar em risco as negociações

PUBLICIDADE

As colunas de fumo registadas alegadamente em Rastan, na província de Homs, e divulgadas esta segunda-feira ameaçam colocar em risco as negociações de paz para a Síria agora retomadas em Genebra, na Suíça. Um dos negociadores da delegação de oposição ao regime de Bashar al-Assad apelou mesmo ao contra-ataque dos rebeldes.

“Estamos chateados com os rebeldes na Síria. Nunca lhes pedimos para que ficassem em silêncio perante o mal causado pelo regime. Se as forças do regime os atacam com um míssil, eles devem responder com 10 e recuperar o controlo do máximo de áreas possíveis, aproveitando o cessar-fogo da mesma forma que o regime tem feito”, afirmava há dias Assad al-Zoubi, citado pela Reuters.

Rebels launch attacks in western Syria, heavy government air raids: monitor https://t.co/CEPVqzTWa9

— Reuters Top News (@Reuters) 18 de abril de 2016

(Os rebeldes lançam ataques no ocidente da Síria, as forças governamentais prosseguem raídes aéreos, diz observador.)

Latakia, na costa oeste da Síria, e Hama, no interior, terão sido palco de ataques por parte de rebeldes contra forças governamentais. Pela manhã, alguns grupos de insurgentes anunciaram uma nova batalha contra o regime em resposta a alegadas violações do cessar-fogo acordado em fevereiro, com mediação dos Estados Unidos e da Rússia, sem envolver o combate a grupos terroristas como o “Daesh” ou a Frente Al-Nusra.

As duas cidades do centro da Síria vêm juntar-se a Homs, onde se terão voltado a registar bombardeamentos pelo exército, e a Aleppo como zonas onde o conflito se tem vindo a intensificar entre o regime de Bashar al-Assad e a oposição.

As duas partes têm vindo, contudo, a acusar-se mutuamente de violação do cessar-fogo. A oposição síria garante ter provas de ataques das forças governamentais em Aleppo e, por isso, anunciou esta segunda-feira pela sua parte o fim do acordo de suspensão das hostilidades.

Syria: There are now >100,000 ppe gathered at border areas with Turkey, with active fighting just 7 kilometres away https://t.co/Ul2KyQGUS0

— MSF International (@MSF) 18 de abril de 2016

(Síria: Há agora mais de 100 mil pessoas concentradas junto à fronteira com a Turquia, com combates ativos a apenas 7 quilómetros.)

Na Suíça, por fim, a delegação da oposição pediu às Nações Unidas o adiamento das negociações de paz até que as condições na Síria permitam o retomar das conversações com o regime para pôr fim a um conflito com 5 anos em que já terão morrido mais de 250 mil pessoas e que, ao lado do surgimento do grupo terrorista autoproclamado Estado Islâmico, terá provocado uma das piores crises de refugiados da história.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Embaixador iraniano na Síria promete retaliação após alegado ataque israelita destruir consulado

Ataque israelita destrói consulado iraniano em Damasco e mata alta patente militar

Pelo menos três mortos, entre os quais duas crianças, na explosão de carro armadilhado na Síria