EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Brasil: Dilma Rousseff sente-se “injustiçada” pelo impeachment

Brasil: Dilma Rousseff sente-se “injustiçada” pelo impeachment
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Dilma Rousseff garante que se sente “injustiçada” pela aprovação na Câmara dos Deputados da abertura do processo de destituição. A presidente do

PUBLICIDADE

Dilma Rousseff garante que se sente “injustiçada” pela aprovação na Câmara dos Deputados da abertura do processo de destituição.
A presidente do Brasil, na primeira declaração após a votação, afirmou que o processo de impeachment não tem base de sustentação” e não cometeu nenhum crime. Num discurso bastante duro, Dilma acusou o vice-presidente Michel Temer de conspiração.

“Agora eu também enfrento por convicção golpe de Estado, um golpe, é o golpe em que se usa de uma aparência de processo legal e democrático para perpretar talvez o mais abominável crime contra uma pessoa, que é a injustiça, é condenar alguém inocente”, afirmou Dilma Rousseff.

O processo de destituição passa agora para as mãos do Senado que também deve votar se há ou não motivo para julgamento. A presidente reafirmou que não pretende renunciar à Presidência do país: “eu continuarei lutando e vou enfrentar todo o processo, vou participar e defender-me junto ao Senado”.

Dilma se diz 'injustiçada' e que está apenas no começo da luta https://t.co/EsrRdtKzyjpic.twitter.com/F4vDSFqDoI

— Folha de S.Paulo (@folha) 18 de abril de 2016

Entretanto nas ruas, os apoiantes do afastamento da Presidente Dilma Rousseff defendem que são necessárias novas eleições. Os manifestantes pró-governo prometem parar o Brasil, com ações de revolta não-violenta

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Brasil: Apoiantes de Dilma Rouseff prometem lutar contra destituição

Destituição de Dilma: Bruno Araújo, o deputado que soltou o grito do "impeachment"

Brasil: Parlamento dita destino de Dilma este domingo