EUA vão enviar mais 200 militares e helicópteros para o Iraque

EUA vão enviar mais 200 militares e helicópteros para o Iraque
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Os Estados Unidos vão reforçar meios militares no Iraque, sobretudo para combater o grupo terrorista Estado Islâmico. O anúncio foi feito pelo

PUBLICIDADE

Os Estados Unidos vão reforçar meios militares no Iraque, sobretudo para combater o grupo terrorista Estado Islâmico. O anúncio foi feito pelo Secretário de Defesa norte-americano numa visita surpresa a Bagadad. Ash Carter revelou que vão ser enviados mais 200 militares e helicópteros de ataque Apache para apoiar os esforços das Forças Armadas do Iraque.

#SecDef Carter thanks and coins service members stationed in Iraq pic.twitter.com/eA5fzu6cYC

— U.S. Dept of Defense (@DeptofDefense) 18 de abril de 2016

Para além do reforço de meios, haverá também um reforço financeiro específico. “Vamos garantir assistência financeira aos peshmerga, com o acordo do primeiro-ministro Abadi, tal como fazemos sempre, para apoiar aquela que tem sido uma das forças mais efetivas no combate ao Estado Islâmico”, afirmou Carter.

Recorde-se que os Peshmerga são um grupo curdo armado e de elite, que combate pelo Curdistão. Reivindica a criação de um Estado Curdo para os cidadãos que estão espalhados por territórios atribuídos ao Iraque, à Síria e à Turquia. Tem mais de 200 000 militantes, onde se incluem homens e mulheres.

O secretário de defesa norte-americano explicou ainda que estes meios vão ser usados essencialmente para cercar e tentar recapturar a cidade de Mosul, atualmente ocupada pelo Daesh.

Depois deste reforço, no total vão estar cerca de 4.000 militares e pessoal paramilitar norte-americano no Iraque.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Primeiro contingente de tropas da Alemanha chega a Vilnius para reforçar flanco leste da NATO

Porta-voz do exército israelita: "Pode haver um cessar-fogo hoje ou daqui a um ano".

Ucrânia: guerra às portas da Europa abre caminho a projeto de defesa comum