A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

"Luxleaks": Advogado de delator diz que processo vai "consolidar tomada de consciência"

"Luxleaks": Advogado de delator diz que processo vai "consolidar tomada de consciência"
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Antoine Deltour está na base de um dos maiores escândalos dos últimos anos. O francês enfrenta a justiça luxemburguesa por ser um dos responsáveis pela revelação de acordos fiscais secretos entre o Luxemburgo e cerca de 300 multinacionais. O delator na origem do caso “Luxleaks” arrisca-se a uma pena de dez anos de prisão e ao pagamento de uma multa de mais de um milhão de euros. O advogado de Deltour, William Bourdon, explicou, em entrevista à Euronews, o que está em causa.

Grégoire Lory, euronews – Este processo pode fazer evoluir o estatuto do delator na Europa?

William Bourdon, advogado de Antoine Deltour – Este processo vai, evidentemente, acelerar, acentuar e consolidar uma tomada de consciência que não é apenas europeia. É universal porque os delatores representam uma respiração da democracia. Sem dúvida alguma são uma condição para modernizar a democracia, para a manter viva e evitar que seja ameaçada por condutas condenáveis pela cobiça, que são ditadas pelo dinheiro a todo o preço, por uma forma de egoísmo nacional numa altura em que a Europa atravessa tempos difíceis. De certa forma, a ação de Antoine Deltour coloca no centro gravitacional do debate público a exigência de mais coesão, de mais solidariedade, não só entre as pessoas mas também entre os próprios Estados-membros, incluindo a própria política fiscal.

euronews – Fala-se do reforço do estatuto do delator mas ao mesmo tempo os eurodeputados adotaram o reforço da proteção de “segredos de negócios”?

William Bourdon – Existem dois movimentos completamente contraditórios. O movimento que acabámos de falar e o movimento dos lóbis que estão ao serviço de Bruxelas focalizados, inspirados por uma parte dos atores económicos, pelas multinacionais, por grandes instituições financeiras. Nem todos, de qualquer forma, porque é preciso evitar a amálgama. Sabem bem o perigo que representam os delatores. O perigo é o quê? É responsabilizar pessoas que querem continuar a não ser responsabilizadas e a melhor maneira é amordaçar os delatores, criminalizar com a violação de segredos de negócios. Percebe-se bem a contradição entre, por um lado, proteger e ao mesmo tempo abrir a porta ao pagamento de multas e depois à pena de prisão porque revelarão segredos de negócios para denunciar um escândalo. É preciso limar esta lacuna, não a favor dos lóbis que trabalham em benefício desta oligarquia mais ou menos visível, mas a favor dos cidadãos e dos delatores.