A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Relembrar o LuxLeaks

Relembrar o LuxLeaks
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Três homens, acusados de divulgar milhares de documentos confidenciais que revelaram uma enorme rede de fuga aos impostos, por grandes empresas, no Luxemburgo, sentam-se no banco do réus a partir desta terça-feira (26.04.2016). O caso ficou conhecido como LuxLeaks e foi a maior fuga de informação antes dos chamados Panama Papers.

O caso remonta a novembro de 2014 e pôs a descoberto a forma como o país, um pequeno paraíso fiscal, ajudou multinacionais a fugirem aos impostos nos países onde operam.

Governo luxemburguês e empresas envolvidas continuam a defender que não há nada de ilegal nas suas práticas. Um escândalo que acabou por tocar também Jean-Claude Juncker, na altura Presidente do Eurogrupo, à medida que se multiplicavam os nomes envolvidos.

Uma dor de cabeça para o Presidente do Eurogrupo em particular e para as instituições europeias em geral.

Para tentar minorar os danos a União Europeia criou, na altura, uma comissão para analisar a situação.

Quem acabou por enfrentar a barra do tribunal não foram as multinacionais, ou as autoridades luxemburguesas, mas os homens que divulgaram o caso.