França: Sena começa a dar tréguas em Paris, Normandia em alerta vermelho

França: Sena começa a dar tréguas em Paris, Normandia em alerta vermelho
De  Antonio Oliveira E Silva com AFP, METEO FRANCE
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

As águas do Sena começavam este sábado (4) a baixar em Paris, mas parte da Normandia estava em alerta vermelho.

PUBLICIDADE

As águas do Sena começaram a descer este sábado em Paris, tendo ficado, por volta das 17 horas locais, abaixo dos 6 metros, deixando os habitantes da capital francesa com a esperança de que o pior já passou, pelo menos na região Île-de-France. Quatro pessoas morreram nos temporais da semana passada, que deram lugar a violentas cheias na região de Paris e no centro de França.

Estas foram as piores cheias na capital francesa desde 1982, tendo forçado alguns dos mais conhecidos museus da cidade a fechar temporariamente as suas portas e a proteger alguns dos elementos das suas coleções por causa das chuvas. Foi o caso dos museus do Louvre e de Orsay.

Crue de la Seine et inondations : le point sur les perturbations https://t.co/DYf7kXb4AJpic.twitter.com/tLB48ogSzF

— Le Parisien (@le_Parisien) June 4, 2016

O rio Sena subiu até 6,10 metros no sábado de manhã (4) e estabilizou ao longo do dia. Em 1982, os níveis do rio chegaram aos 6,18 metros.

Cerca de 20 mil pessoas tiveram de deixar as suas casas em todo o país e calcula-se que os prejuízos possam superar os 600 milhões de euros.

Parte da região da Normandia (a oeste de Paris) continuava, no entanto, em alerta vermelho este fim de semana, nos departamentos de Seine-Maritime e Eure.

Crues. La Seine décroît à Paris et menace désormais la région de Rouen https://t.co/ue4IAyWFJ3pic.twitter.com/6dIMWAY5rq

— Ouest-France (@OuestFrance) June 4, 2016

O primeiro-ministro francês Manuel Valls esteve este sábado no departamento de Essonne, região de Paris, e apelou ao fim da greve da ferroviária SNCF, cujos trabalhadores protestam contra a reforma na lei do trabalho:

“Castigar quem utiliza os transportes públicos e passa por este mau tempo não é possível. Peço que todos assumam as responsabilidades para parar esta greve tão depressa quanto possível” disse o primeiro-ministro francês.

Avec des habitants et les forces de secours de l'Essonne. L'État est aux côtés des sinistrés des crues. pic.twitter.com/9JKvkofDde

— Manuel Valls (@manuelvalls) June 3, 2016

Manuel Valls indicou ainda que 24 pessoas ficaram feridas durante as tempestades da semana passada.

Em Ville Neuve Saint Georges, a sul de Paris, uma das zonas mais forte mente afetadas pelas cheias em toda a França, as autoridades propuseram às pessoas deixar as residências como medida de precaução, embora não estivessem obrigadas a fazê-lo.

Segundo as autoridades, 15 departamentos no território continental francês continuavam, este domingo, em alerta laranja, a maioria dos quais na região Ile-de-France, na região de Grand Est (Alsácia, Lorena e Champagne-Ardenas) e na região Centre-Val de Loire, a sul de Paris.

[04/06/2016-22h07] 2 dpts en #vigilance Rouge
15 dpts en #vigilance Orange
Toute l'info https://t.co/rJ24zzmmy4

— Vigilance Météo (@VigiMeteoFrance) June 4, 2016

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

"The place to be": Art Paris 2024 coloca as galerias de arte francesas no centro das atenções

Jogos Olímpicos de Paris: voluntários iniciaram formação

Inundações em França fazem um morto e seis desaparecidos