Última hora
This content is not available in your region

Relatório da ONU reconhece genocídio de Yazidis na Síria

Relatório da ONU reconhece genocídio de Yazidis na Síria
Tamanho do texto Aa Aa

O grupo Estado Islâmico (EI) continua a levar a cabo um genocídio contra a comunidade yazidi na Síria. A denúncia foi apresentada esta quinta-feira pela Comissão Independente de Inquérito da ONU sobre os Direitos Humanos no país.

Um relatório, baseado em 45 entrevistas a sobreviventes e personalidades no terreno, revela que o grupo armado mantém escravizadas mais de 3.200 crianças e mulheres yazidis na Síria, deslocados à força da província iraquiana de Sinjar (bastião da comunidade).

Segundo o brasileiro Paulo Pinheiro, que chefia a Comissão Independente de Inquérito da ONU, “o abuso de homens, mulheres e crianças Yazidi por parte do grupo EI revela um genocídio, crimes de guerra e crimes contra a humanidade. Desde o ataque a Sinjar (em Agosto de 2014), até hoje, o EI quis ‘apagar’ os Yazidis através de assassínios, escravidão sexual, escravidão, tortura, maus tratos desumanos e degradantes e deslocações forçadas, provocando danos mentais e físicos”.

O documento, remetido ao Conselho de Segurança da ONU, denuncia igualmente o desaparecimento de milhares de rapazes e homens da comunidade étnico-religiosa – cujo credo monoteísta se inspira tanto no Cristianismo como no Islão – considerada herética pelos islamitas.

A Comissão de inquérito da ONU exige que as provas sejam remetidas ao Tribunal Penal Internacional para abrir um processo contra o grupo Estado Islâmico.

A primeira versão (resumida) do relatório da Comissão de Inquérito da ONU pode ser consultada aqui .

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.