Última hora

Última hora

Primeira estrada eléctrica do mundo inaugurada na Suécia

Primeira estrada eléctrica do mundo inaugurada na Suécia
Tamanho do texto Aa Aa

São as chamadas primeiras “eHighway”, “e-autoestradas” do mundo. Estão a ser testadas na Suécia com o objetivo de reduzir as emissões de CO2 no setor do transporte. O projeto foi iniciado pelas autoridades suecas do transporte e é o resultado de uma parceria tecnológica entre a Siemens e o construtor de camiões Scania.

A autoestrada E16, perto da cidade de Sandviken, a norte de Estocolmo foi o centro de testes. A ideia é relativamente simples: os camiões estão ligados por cabos, semelhantes aos usados nos eléctricos ou comboios. Os motores alternam entre o gasóleo e a electricidade.

Os veículos híbridos têm um mecanismo instalado no tejadilho, chamado de «pantógrafo inteligente», que é accionado automaticamente quando entra neste trecho da via, ligando-se às linhas de electricidade instaladas. Hasso Georg Grunjes, responsável pelo departamento “eHighway” da Siemens sublinha que “não se trata de uma grande inovação porque, basicamente, combinámos tecnologia já antiga. É a tecnologia já usada nos comboios, combinada com a tecnologia dos camiões. Por um lado temos a eficiência do sistema de ferrovia, combinado com a flexibilidade da rodovia, o que é uma vantagem real.

Para já, os cabos estão instalados em apenas dois quilómetros da E16. Por questões de segurança, o sistema desconecta-se quando é ultrapassada a velocidade de 90 km/hora.

Nils-Gunnar Vagstedt, da Scania, garante que “é tudo automático: conduz-se como um camião normal, não se faz nada de especial. Conduz-se ao longo das linhas brancas na estrada, é a única indicação que precisa e o “pantógrafo inteligente” faz o resto. Se se mantiver na faixa, recebe electricidade. Se houver algum obstáculo na estrada, se precisar mudar de direção, pode mudar para a faixa da esquerda e o sistema muda automaticamente, quer seja para as baterias, se for num trajeto curto ou muda para o motor de combustão. É totalmente automático”.

Nos próximos dois anos os especialistas querem perceber qual o impacto desta tecnologia e decidir se vale a pena alargá-la ao resto do país.

Mais sobre Sci-tech