Última hora
This content is not available in your region

Bruxelas avança com maior proteção para trabalhadores destacados

Access to the comments Comentários
De  Isabel Marques da Silva com AFP
euronews_icons_loading
Bruxelas avança com maior proteção para trabalhadores destacados
Tamanho do texto Aa Aa

Agricultura, matadouros e construção civil são alguns dos setores que mais utilizam trabalhadores destacados. Para travar o dumping social, a Comissão Europeia quer alinhar os regimes desses trabalhadores com os da mão-de-obra local, nomeadamente no salário mínimo e subsídio de férias.

As novas regras visam criar direitos e obrigações para agentes em diferentes Estados-membros

A proposta, apresentada em março, levantou objeções por parte de 11 Estados-membros, mas vai avançar.

A comissária europeia para o Emprego, Marianne Thyssen, explicou que “o destacamento de trabalhadores é uma questão transfronteiriça por natureza. O destacamento envolve pelo menos dois Estados-membros, sendo que as novas regras visam criar direitos e obrigações para agentes em diferentes Estados-membros. As regras aplicam-se entre a entidade patronal de um Estado-membro e o trabalhador que passa a residir, temporariamente, noutro Estado-membro”.

A Comissão quer, também, limitar as missões dos trabalhadores destacados a dois anos.

As objeções tinham sido apresentadas por 10 países da Europa de Leste (Bulgária, Hungria, Croácia, República Checa, Polónia, Estónia, Roménia, Lituânia, Letónia, Eslováquia) e pela Dinamarca, que usaram o chamado “cartão amarelo” contra a diretiva.

Os principais países que acolhem trabalhadores destacados são a Alemanha (400 mil), França (200 mil) e Bélgica (160 mil).
Os principais países de origem são a Polónia (428 mil), Alemanha (255 mil) e França (125 mil).