EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Dia Internacional da Ajuda Humanitária: O desespero na Síria e no Iémen

Dia Internacional da Ajuda Humanitária: O desespero na Síria e no Iémen
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Para assinalar o dia do atentado contra a sede das Nações Unidas em Bagdade, a 19 de Agosto de 2003, e prestar homenagem aos que dão a vida pelas causas humanitárias, a ONU instituiu o “Dia Internacio

PUBLICIDADE

Para assinalar o dia do atentado contra a sede das Nações Unidas em Bagdade, a 19 de Agosto de 2003, e prestar homenagem aos que dão a vida pelas causas humanitárias, a ONU instituiu o “Dia Internacional da Ajuda Humanitária“http://www.google.fr/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=10&ved=0ahUKEwit2-io5M3OAhXLIcAKHcoPDJMQFghBMAk&url=http%3A%2F%2Feuropa.eu%2Frapid%2Fpress-release_MEMO-16-2802_pt.pdf&usg=AFQjCNHWcWdsjYHSxjW_YqTtWgEoq00AuQ.

Uma comemoração no meio das múltiplas crises, das quais a Síria é um exemplo e Alepo uma das cidades mártires.

A cidade síria mais povoada antes da guerra civil, tornou-se no centro dos combates, nos últimos cinco anos. Cerca de 2 milhões de pessoas vivem sem água potável depois de todas as infraestruturas terem sido destruídas pelos bombardeamentos.

O enviado especial das Nações Unidas para a Síria, Staffan de Mistura, frustrado com a situação, exigiu na quinta-feira a todos os intervenientes no conflito, tréguas de 48 horas para ajuda às populações e suspendeu a reunião do grupo de intervenção internacional.

“E isto em sinal de tristeza pelo facto de por não haver pausas, nenhuma ajuda humanitária está a chegar a nenhum local na Síria, excepto Deir al-Zor; o leste de Alepo continua sitiado e a parte ocidental está sob ameaça de ficar sitiada”.

Sob a pressão das Nações Unidas, “o ministério russo da Defesa divulgou um comunicado”:
https://twitter.com/mod_russia/status/766295482691969026 onde anuncia a instauração de uma trégua em Alepo. Os bombardeamentos poderão, de acordo com o comunicado, ser suspensos durante 48 horas, uma vez por semana.

A ONU terá já recebido a comunicação oficial de Moscovo e está pronta para distribuir a ajuda humanitária o mais depressa possível. O objetivo é deixar passar os camiões de abastecimento para os habitantes da cidade sitiada.

Um outro país onde as dificuldades de distribuição de ajuda são enormes é o Iémen.
“A organização Médicos sem Fronteiras (MSF) anunciou ontem a retirada do seu pessoal de seis hospitais“http://g1.globo.com/mundo/noticia/2016/08/ataque-aereo-no-iemen-atinge-hospital-dos-medicos-sem-fronteiras.html, após um raide aéreo que matou 19 pessoas e deixou 24 feridas. Trata-se de uma medida temporária, mas necessária, afirma a organização

“Gostaria de insistir no facto de que esses hospitais vão continuar a prestar serviços e assistência aos doentes e às populações. A situação é muito grave e há imensas necessidades no terreno. Esperamos que todas as partes envolvidas no conflito respeitem estas estruturas”, afirmou a diretora das operações, Raquel Ayora.

Segundo os Médicos sem Fronteiras, esta é a quarta vez que um dos hospitais onde trabalham é atingido, no Iémen. A coligação árabe diz lamentar a decisão da MSF.

A Síria e o Iémen são os pontos mais difíceis para a ajuda humanitária neste momento, mas não são os únicos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Pelo menos três mortos, entre os quais duas crianças, na explosão de carro armadilhado na Síria

Duas crianças entre os seis mortos após bombardeamentos de Assad em Idlib

Síria: Confrontos em Deir Ezzor deixaram mais de 150 mortos e dezenas de feridos