Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

EpiPen: O medicamento de todas as críticas nos Estados Unidos

EpiPen: O medicamento de todas as críticas nos Estados Unidos
Tamanho do texto Aa Aa

A farmacêutica Mylan baixou o preço do EpiPen para os pacientes sem seguro de saúde. O medicamento para tratamento de emergência de reações alérgicas severas passa de 600 dólares (530 euros) para 300 dólares (264 euros).

A decisão foi anunciada face às petições e protestos na internet, incluindo de Hillary Clinton que considerou o preço intolerante e pediu a redução imediata.

Em 2007, quando a Mylan comprou o medicamente e a patente à Merck, o medicamento custava menos de 100 dólares. Agora supera os 600 dólares.

Ex-membro da Food and Drug Administration e líder do Centro para uma medicina de interesse público, Peter Pitts, defende: “O que faz baixar os preços é a concorrência. No mercado não existe uma alternativa ao EpiPen. A prioridade da Food and Drug Administration (Infarmed em Portugal) é à revisão de produtos genéricos para medicamentos ainda sem genéricos no mercado. Assim que for aprovado um genérico para o EpiPen, o preço vai afundar 70 ou 80%”.

O EpiPen é vital para 3,6 milhões de norte-americanos.

Alguns deputados democratas consideram que a decisão da farmacêutica é um golpe de relações públicas e que não tem em conta os doentes.

A Mylan é assim a última farmacêutica a ser criticada pelos preços excessivos dos medicamentos.

Em Portugal, uma dose de epinefrina (não genérico) custa cerca 43 euros, segundo a página internet da Infarmed