EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

A euronews no "arrepiante" campo de migrantes e refugiados de Röszke-Horgos

A euronews no "arrepiante" campo de migrantes e refugiados de Röszke-Horgos
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Reportagem da nossa correspondente em Budapeste, Nòra Shenouda, num local onde a situação humanitária, inclusive a de "bebés com poucos dias de vida", é descrita como degradante.

PUBLICIDADE

Um ano depois, a situação em Röszke-Horgos deixou de ser notícia nos meios de comunicação internacionais, mas a situação na “selva” de migrantes no lado sérvio, em Horgos, continua a ser muito complicada e o primeiro-ministro húngaro já ameaçou com o desmatelamento do campo de Roszke, no lado norte da fronteira.

Durante o verão, mais de 100 migrantes chegaram por dia à fronteira entre a Sérvia e a Hungria. Agora, são mais de 250. A maioria oriunda do Afeganistão e do Paquistão.

#Horgos: reportage al confine tra Serbia e Ungheria, dai campi profughi che Orban vuole smantellare https://t.co/riUHtQjwvc

— Lettera43 (@Lettera43) 21 de agosto de 2016

A euronews teve acesso ao centro de acolhimento de migrantes e refugiados, onde até um básico corte de cabelo é difícil de conseguir. “A polícia não nos deixa ir à cidade nem para cortar o cabelo. Por isso, decidi começar eu a cortar o cabelo às pessoas, aqui, de forma gratuita. Não recebo dinheiro de ninguém”, conta à nossa correspondente na Hungria, Nòra Shenouda, o improvisado barbeiro local, um migrante vindo do Afeganistão.

Entrevistado pela euronews, o porta-voz do gabinete húngaro da Agência da ONU para os Refugiados (ACNUR) revela que as condições em Horgos são tão más que refugiados e migrantes não têm sequer um lugar decente para tomar duche.

“A situação é horrível em todos os aspetos. É arrepiante ver famílias com crianças pequenas, por vezes até bebés com poucos dias de vida, a viver durante semanas nestas tendas, que não chegam a ser sequer verdadeira tendas. São uns abrigos construídos com cobertores, capas impermeáveis rasgadas e bocados de nylon”, afirma Ernő Simon.

These guys have been in #Hungary's #Roszke transit zone for 7 days. “I feel totally hopeless”- Sammi, Afghanistan pic.twitter.com/OUNUddGRAA

— Nichola Jones (@nicjones81) 5 de agosto de 2016

(Estes rapazes estão — 5 de agosto — na zona de transição da Hungria em Roszke há sete dias: “Sinto-me já sem esperança”, Sammi, Afeganistao.)

Todas estas pessoas sonham com o dia em que serão admitidas na zona de transição porque, uma vez aceites, o pedido de asilo que fizeram será analisado pelo governo húngaro.

As autoridades húngaras apenas permitem a entrada na zona de transição a 15 pessoas por dia. As famílias têm prioridade, mas mesmo elas podem ter de esperar até dois meses. Para homens a viajar sozinhos é mais difícil. Há relatos de quem já tenha esperado bem mais de seis meses.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Stellantis inicia produção de Fiat elétrico na Sérvia

Pelo menos três mortos em tiroteio durante marcha pela paz no Paquistão

Sérvios vencem o calor com a tradicional descida do rio Ibar