Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Breves de Bruxelas: o fracasso europeu com a migração

Breves de Bruxelas: o fracasso europeu com a migração
Tamanho do texto Aa Aa

Passou um ano desde que a chanceler alemã, Angela Merkel, anunciou a sua política de “porta aberta” e acolheu milhares de refugiados sírios. Poucos dias depois do anúncio, a imagem de um menino sírio de três anos, Alan Kurdi, que se afogou no mar Mediterrâneo quando a família tentava chegar à Europa, tornou-se um símbolo da crise humanitária.

Mas apesar do drama, várias fronteiras foram fechadas, os refugiados e migrantes continuam a morrer no mar e a crise tem dividido os países da União Europeia.

O regime de relocalização de emergência criado pela Comissão quase não funciona: das 160 mil pessoas que deveriam sair da Itália e da Grécia para outros países, até setembro de 2017, apenas 4455 foram realocadas até agora.

O novo líder do Partido Socialista Húngaro, que também está contra o sistema de quotas, explicou à euronews porque apela à abstenção.

Neste programa que passa em revista a atualidade europeia diária mencionamos, ainda, que a primeira-ministra britânica, Theresa May, descartou a possibilidade de um segundo referendo sobre a pertença do Reino Unido à União Europeia e sublinhou que haverá “nenhuma tentativa de ficar na União”.

A garantia foi dada na primeira reunião com a sua equipa após as férias de verão e May pediu aos ministros para apresentarem propostas sobre o novo papel do país na Europa.