EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Lituânia recria cidade para treinar situações de guerrilha urbana

Lituânia recria cidade para treinar situações de guerrilha urbana
Direitos de autor 
De  Marco Lemos com ebu, afp
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Desde a anexação da Crimeia pela Rússia, em 2014, que os Estados do Báltico vivem alarmados e têm aumentado o orçamento da defesa.

PUBLICIDADE

A Lituânia decidiu recriar uma cidade que a partir de agora serve de campo de treinos para situações de guerrilha urbana.

Desde a anexação da Crimeia pela Rússia, em 2014, que os Estados do Báltico vivem alarmados e têm aumentado o orçamento da defesa, que deverá atingir os 2% do PIB, em 2018, na Lituânia.

O chefe do exército lituano, Vitautas Jonas Zukas explicou que “nos combates urbanos, a vantagem tecnológica do inimigo dissipa-se. O recurso à artilharia ou à aviação é limitado, porque numa rua podem estar soldados inimigos, mas ao virar da esquina podem estar os nossos próprios soldados”.

O campo, implantado numa área com 15 hectares, recebeu o nome de Vílnius, a capital da Lituânia. Conta com cerca de duas dezenas de edifícios, incluindo uma escola, um estádio, um centro comercial ou ainda uma igreja e está aberto aos outros Estados do Báltico, como referiu o ministro da Defesa da Lituânia, Juozas Olekas:

“Os nossos irmãos da Letónia e da Estónia não têm uma cidade artificial como esta. Os nossos vizinhos estão convidados a vir aqui para prepararmos em conjunto a defesa das nossas cidades.”

O campo de treinos custou cerca de 5 milhões de euros e enquadra-se na estratégia de defesa que inclui também o envio de até 4000 militares da NATO para os países do Báltico e para a Polónia de forma a dissuadir uma eventual ofensiva russa.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Lituânia expulsa três diplomatas russos

Insiders: A Lituânia tem medo da Rússia

Lituanos voltam às urnas para a segunda volta das eleições presidenciais