EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Justiça francesa: Abdeslam mantém o silêncio

Justiça francesa: Abdeslam mantém o silêncio
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Salah Abdeslam, o único sobrevivente do comando responsável pelos atentados de novembro, em Paris, voltou a remeter-se ao silêncio.

PUBLICIDADE

Salah Abdeslam, o único sobrevivente do comando responsável pelos atentados de novembro, em Paris, voltou a remeter-se ao silêncio.

O cidadão francês de origem marroquina saiu da cela, esta madrugada, e chegou ao Palácio da Justiça por volta das 07h30, hora local, acompanhado por forte dispositivo policial para ser interrogado. Mas, pela terceira vez, recusou responder às questões colocadas pelos juízes.

O advogado de Abdeslam explica que o cliente invocou o direito ao silêncio durante o interrogatório que durou cerca de uma hora e meia. Frank Berton, adianta, que o processo de instrução vai continuar, mas desconhece se o cliente vai ou não mudar de atitude no futuro.

Attentats: Salah Abdeslam “a exercé son droit au silence” face au juge, a déclaré son avocat Frank Berton https://t.co/mryLul4gcx#AFP

— Agence France-Presse (@afpfr) September 8, 2016

A defesa justifica o silêncio do cliente com a videovigilância apertada a que Abdeslam está sujeito na prisão onde se encontra. Um sistema que as autoridades francesas consideram necessário para evitar que, o homem que chegou a ser o mais procurado da Europa, se suicide ou seja vítima de agressão.

Detido a 18 de março, no bairro de Molenbeek, em Bruxelas foi depois transferido para uma prisão no sul de Paris.

De acordo com o irmão do atacante, Abdeslam de 26 anos terá decidido não se fazer explodir, com os outros radicais do Estado Islâmico que, em 2015, mataram 130 pessoas, na capital francesa.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Polícia francesa mata homem que tentava incendiar sinagoga em Rouen

Local da cerimónia de abertura dos Jogos Olímpicos pode mudar

Segurança nos estádios de futebol é reforçada após ameaça do Estado Islâmico