EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Acordo de cessar-fogo no leste da Ucrânia com eleições russas na Crimeia pelo meio

Acordo de cessar-fogo no leste da Ucrânia com eleições russas na Crimeia pelo meio
Direitos de autor 
De  Francisco Marques
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A poucos dias de umas controversas eleições parlamentares da Rússia também previstas para a península da Crimeia, um acordo entre o governo da Ucrânia e rebeldes separatistas pró-russos terá sido alca

PUBLICIDADE

A poucos dias de umas controversas eleições parlamentares da Rússia também previstas para a península da Crimeia, um acordo entre o governo da Ucrânia e rebeldes separatistas pró-russos terá sido alcançado com vista a um cessar-fogo no conflito a decorrer no leste do país e para uma eventual retirada militar de certas regiões.

Um dos mediadores deste acordo foi o ministro dos Negócios Estrangeiros da Alemanha. Frank-Walter Steinmeier revelou ter chegado a Kiev “com um compromisso de Moscovo, recebido terça-feira”: “a partir desta quarta-feira à noite vai haver um cessar-fogo da parte dos separatistas. Para já, durante sete dias e a começar à meia-noite.”

Behind the scenes in #Kyiv: FMs #Steinmeier+jeanmarcayrault</a> prepare their meeting w/ <a href="https://twitter.com/hashtag/Ukraine?src=hash">#Ukraine</a>&#39;s Pres. <a href="https://twitter.com/poroshenko">Poroshenko. pic.twitter.com/gjCaIX6SFk

— GermanForeignOffice (@GermanyDiplo) 14 de setembro de 2016

França: Anexação da Crimeia é ilegal

O correspondente em Paris da plataforma informativa ucraniana Ukrinform questionou esta quarta-feira o Ministério dos Negócios Estrangeiros francês sobre a posição do Eliseu face às eleições russas se estenderem à Crimeia. “O Presidente da República (François Hollande), na conversa telefónica com o Presidente russo e a Chanceler alemã, a 16 de agosto, relembrou a posição consistente da França, que na essência é a de que a anexação da Crimeia é ilegal”, reiterou Romain Nadal, porta-voz do MNE de França.

Outro dos mediadores do acordo foi o responsável diplomático da França. Jean-Marc Ayrault sublinhou o reassumir de todas as partes da “adesão aos acordos de Minsk” sem qualquer outra alternativa sobre a mesa. “Não há plano B. O acordo de Minsk tem de ser implementado”, reforçou o ministro francês, aproveitando para criticar a decisão da Rússia de alargar as eleições de domingo à Crimeia, península outrora autónoma da Ucrânia cuja anexação unilateral por Moscovo não é reconhecida, entre outros, pela União Europeia.

Pelo lado do governo ucraniano, o ministro dos Negócios Estrangeiros disse ser preciso “ver com clareza os passos que vão ser dados e também as garantias de cumprimento do acordo pelo lado russo.”

#Ukraine – Il n'y a pas d'alternative, ni de plan B. Les accords de Minsk doivent être mis en œuvre : à chacun de remplir ses engagements

— Jean-Marc Ayrault (@jeanmarcayrault) 14 de setembro de 2016

“A evolução da implementação deste acordo tem de permitir a possibilidade de se ir ao encontro das reuniões no formato do sucedido na Normandia”, afirmou Pavlo Klimkin, reportando-se aos encontros de junho de 2014 naquela região francesa integrando Alemanha, França, Ucrânia e Rússia.

Клімкін: Ми будемо і надалі працювати, щоб представники #OSCE_SMM були присутні на всій окупованій території Донбасу pic.twitter.com/E0p6V0xp88

— MFA of Ukraine (@MFA_Ukraine) 14 de setembro de 2016

(Klimkin: “Vamos continuar a trabalhar para que os representantes da OSCE possam estar presentes em todo o território ocupado de Donbass)

O conflito armado no leste da Ucrânia resultou da revolução de 2014 em Kiev, da qual resultou a destituição do então presidente Viktor Yanukovich e a anexação da península da Crimeia pela Federação russa. A guerra entre as forças militares ucranianas e os rebeldes separatistas pró-russos já terão provocado a morte de mais de 9500 pessoas nos últimos dois anos e meio.

Ministers jeanmarcayrault</a> and Franck-Walter Steinmeier meet President Petro <a href="https://twitter.com/poroshenko">Poroshenko (via FranceenUkraine</a>). <a href="https://t.co/DoONv1dkP4">pic.twitter.com/DoONv1dkP4</a></p>&mdash; France Diplomacy (francediplo_EN) 14 de setembro de 2016

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Guerra na Ucrânia: dez mil pessoas obrigadas a abandonar Kharkiv

Ucrânia retira tropas na região de Kharkiv. Zelenskyy cancelou visita a Portugal e Espanha

Ataque a Belgorod, na Rússia, faz pelo menos 15 mortos. Zelenskyy admite situação difícil em Kharkiv