Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Acordo de cessar-fogo no leste da Ucrânia com eleições russas na Crimeia pelo meio

Acordo de cessar-fogo no leste da Ucrânia com eleições russas na Crimeia pelo meio
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A poucos dias de umas controversas eleições parlamentares da Rússia também previstas para a península da Crimeia, um acordo entre o governo da Ucrânia e rebeldes separatistas pró-russos terá sido alcançado com vista a um cessar-fogo no conflito a decorrer no leste do país e para uma eventual retirada militar de certas regiões.

Um dos mediadores deste acordo foi o ministro dos Negócios Estrangeiros da Alemanha. Frank-Walter Steinmeier revelou ter chegado a Kiev “com um compromisso de Moscovo, recebido terça-feira”: “a partir desta quarta-feira à noite vai haver um cessar-fogo da parte dos separatistas. Para já, durante sete dias e a começar à meia-noite.”

 

França: Anexação da Crimeia é ilegal

O correspondente em Paris da plataforma informativa ucraniana Ukrinform questionou esta quarta-feira o Ministério dos Negócios Estrangeiros francês sobre a posição do Eliseu face às eleições russas se estenderem à Crimeia. “O Presidente da República (François Hollande), na conversa telefónica com o Presidente russo e a Chanceler alemã, a 16 de agosto, relembrou a posição consistente da França, que na essência é a de que a anexação da Crimeia é ilegal”, reiterou Romain Nadal, porta-voz do MNE de França.
Outro dos mediadores do acordo foi o responsável diplomático da França. Jean-Marc Ayrault sublinhou o reassumir de todas as partes da “adesão aos acordos de Minsk” sem qualquer outra alternativa sobre a mesa.

“Não há plano B. O acordo de Minsk tem de ser implementado”, reforçou o ministro francês, aproveitando para criticar a decisão da Rússia de alargar as eleições de domingo à Crimeia, península outrora autónoma da Ucrânia cuja anexação unilateral por Moscovo não é reconhecida, entre outros, pela União Europeia.

Pelo lado do governo ucraniano, o ministro dos Negócios Estrangeiros disse ser preciso “ver com clareza os passos que vão ser dados e também as garantias de cumprimento do acordo pelo lado russo.”

“A evolução da implementação deste acordo tem de permitir a possibilidade de se ir ao encontro das reuniões no formato do sucedido na Normandia”, afirmou Pavlo Klimkin, reportando-se aos encontros de junho de 2014 naquela região francesa integrando Alemanha, França, Ucrânia e Rússia.

(Klimkin: “Vamos continuar a trabalhar para que os representantes da OSCE possam estar presentes em todo o território ocupado de Donbass)

O conflito armado no leste da Ucrânia resultou da revolução de 2014 em Kiev, da qual resultou a destituição do então presidente Viktor Yanukovich e a anexação da península da Crimeia pela Federação russa. A guerra entre as forças militares ucranianas e os rebeldes separatistas pró-russos já terão provocado a morte de mais de 9500 pessoas nos últimos dois anos e meio.